quarta-feira, 21 de agosto de 2013

ULTIMAS NOTICIAS AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE O MMN EM BRASÍLIA

O debate na Audiência Pública sobre Marketing Multinível, realizado na Câmara Federal, levantou a polêmica sobre a paralisação de algumas empresas de MMN no âmbito do legislativo. Com posicionamentos divergentes, deputados puderam iniciar um debate que deve, ao menos, servir como subsídio para o início da elaboração de uma marco legal sobre a atividade no Brasil. Se posicionando de forma contrária as atividades da TlexFREE e BBOM, o deputado Silvio Costa (PTB-PE) disse que queria saber qual a lógica mercadológica que as empresas bloqueadas pela justiça usaram para que se alcance os lucros prometidos. “Eu sou analfabeto. Não sei o que é VoIP, não consigo pegar esse VoIP. Eu falei que se as empresas me provassem sua legalidade eu seria favorável, até mesmo por a juíza do Acre no CNJ. Mas até agora, eu estou literalmente convencido do contrário, desculpa a franqueza. Eu queria saber qual a lógica mercadológica que as empresas usaram”, questionou. Já para o deputado Lourival Mendes (PTdoB-MA), o  que mais chama atenção seria o fato de que as empresas foram bloqueadas sem que qualquer prova pudesse ter sido apresentada. “Até agora eu não vi onde estão os inquéritos com as referidas investigações. Nós estamos condenando antecipadamente, sem que se prove a evidência do fato delituoso. Quero uma cópia do relatório que apurou os delitos” argumentou. “Se eu fosse acreditar na mídia eu iria procurar hoje aqui dois bandidos: Bandido João Francisco e Bandido Carlos Costa. Mas bandidos fogem, não se apresentam como está ocorrendo aqui hoje. Esperamos que a justiça seja feita e não que milhares de brasileiros sejam penalizados”, disse o deputado Pastor Eurico (PSB-PE). O judiciário e o governo do Acre foram citados. Parlamentares chegaram a afirmar que no Acre de cada 5 eleitores 1 estaria envolvido com Marketing Multinível somente porque o Estado não tem geração de renda e a economia estaria quebrada. O Acre é governado pelos irmãos Viana há quase 15 anos (Jorge Viana e Tião Viana). O processo contra a TelexFREE foi iniciado pelo Procon-AC, órgão sob o comando direto do Governador Tião Viana (PT). Fonte: Acre Alerta