Translate

sábado, 29 de abril de 2017

GIDEÕES MISSIONÁRIOS: UMA RESPOSTA AO “IDE” GIDEÕES É MAIS DO QUE UM PALCO PARA PROJEÇÃO DE PREGADORES E CANTORES... POR FERNANDO PEREIRA

Teve início, na cidade de Camboriú (SC), no último sábado 22, a 35° edição do Congresso Internacional de Missões, Gideões Missionários da Última Hora (GMUH). O evento reúne, em cada edição, uma média de 100 mil pessoas que se afluem para lá de todas as regiões do País. Esta edição segue acontecendo até o próximo dia primeiro de maio. O Gideões sustenta, atualmente, 1178 famílias no campo missionário, o que equivale a uma média de mais de quatro mil pessoas (média de quatro integrantes por família) trabalhando pró ao Reino de Deus ao redor do mundo. Todas essas pessoas necessitam ter um ganho mensal para que possam se alimentar e, na maior parte dos casos, ajudarem outras pessoas que estão em situação precária, a exemplo do que acontece em regiões do Nordeste brasileiro, no Haiti, e em países africanos.Ao ver que em cada um dos vários cultos realizados diariamente durante o evento se pede ofertas, não devemos nos escandalizar, pois a despesa, tanto do evento quanto com a manutenção dos missionários no “campo”, é muito grande. A organização e os pregadores, e até cantores, pedem porque a necessidade é real e urgente. Existem pontos falhos no evento? É claro que existem, pois, afinal de contas, o evento organizado e gerido por seres humanos. Mas se formos nos atentar para os pontos negativos, acabamos nos tornado empecilhos à obra de Deus, pois o Gideões é muito mais do que o maior evento missionário do mundo, do que um palco para projeção de pregadores e cantores; o Gideões é uma resposta humana coletiva ao “ide” de Jesus. Se você, diferente de mim e de outros milhares, não contribui financeiramente, passe a contribuir com suas orações intercessoras, para que Deus derrame de sua graça sobre cada um dos membros da diretoria para que não caiam na tentação de fazer algo errado, para que os missionários se sintam consolados e fortalecidos para que, com mais coragem e dinamismo, possam contribuir para a expansão do Reino, no despovoamento o inferno e no povoamento do céu. “Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram? e como ouvirão, se não há quem pregue? (…) E como pregarão, se não forem enviados? (Rm 10:14,15).