Translate

quinta-feira, 4 de maio de 2017

AS ESTRELAS DA CONFISSÃO POSITIVA -PAULO RODRIGUES ROMEIRO É UM PASTOR E APOLOGISTA CRISTÃO EVANGÉLICO BRASILEIRO. FOI PRESIDENTE DO INSTITUTO CRISTÃO DE PESQUISAS (ICP) EM SÃO PAULO, E ATUALMENTE É PASTOR PRESIDENTE NA IGREJA CRISTÃ DA TRINDADE

A confissão positiva é um verdadeiro leque. Por esta razão, não se pode julgar seus líderes da mesma forma, pois alguns são mais equilibrados do que outros. Infelizmente, porém, há muitos extremos; há aqueles que chegam até ao ponto de exortar seus membros a não procurarem os recursos da medicina quando se encontrarem enfermos (ver exemplos no capítulo 3). Além de Essek W. Kenyon e Kenneth Hagin, os nomes mais conhecidos ligados à confissão positiva são Ken Hagin Jr. (filho de Kenneth Hagin), Kenneth e Glória Copeland, T. L. Osborn, Fred Price, Hobart Freeman, Charles Capps, Jerry Savelle, John Osteen e Lester Sumrall. Nos últimos anos, tem surgido vários outros nomes. Bob Tilton, que já esteve no Brasil acompanhado de Rex Humbard, é uma figura extremamente controvertida hoje nos Estados Unidos, principalmente pelos seus métodos de levantamento de fundos. Ele chega a chorar e a profetizar ao mesmo tempo enquanto pede dinheiro no seu programa de televisão, como se fosse o próprio Deus pedindo. Outros, como Marilyn Hickey, John Avanzini e Benny Hinn, já estiveram no Brasil participando de conferências promovidas pela ADHONEP (Associação de Homens de Negócios do Evangelho Pleno).16 O norte-americano Dave Roberson também já esteve algumas vezes no Brasil ministrando ao lado de Valnice Milhomens. Bem conhecido de muitos evangélicos no Brasil é o nome de Paul Yonggi Cho, talvez o menos controvertido dos pregadores da fé. Cho é o pastor da maior igreja evangélica no mundo, em Seul, na Coréia do Sul. Vários de seus livros já foram publicados em português. Bom Dia, Espírito Santo Não há dúvida de que o movimento da fé tem em Benny Hinn, pastor do Centro Cristão de Orlando, na Flórida, um de seus nomes mais famosos. Seu livro, Bom Dia, Espírito Santo, é um dos mais vendidos hoje na América do Norte. Porém, tanto o livro de Hinn como seus ensinos têm suscitado muita polêmica, como, por exemplo, o estudo acerca do "corpo" do Espírito Santo.17 Não faz muito tempo, Hinn levou os membros de sua igreja a repetir depois dele a seguinte frase: "Eu sou um deus-homem" (vídeo nos arquivos do ICP). A revista Christianity Today (Cristianismo Hoje), publicada nos Estados Unidos, afirma que em 1992 Benny Hinn disse, num programa de TV, que o Espírito Santo lhe ensinava, naquele momento, que Deus havia originalmente planejado que as mulheres dessem à luz pelos lados. Quando pressionado sobre tal ensino, Hinn admitiu que o havia tirado da Dake's Annotated Reference Bible ("Bíblia de Referência Anotada de Dake", edição de 1963). Hinn ainda continua falando sobre o "corpo" do Espírito Santo, ensino este mencionado em Bom Dia, Espírito Santo. Outros dados mencionados na mesma edição da revista têm a ver com fatos relatados por Hinn no seu livro e que não são verídicos, como a cura de sua gagueira (várias pessoas que o conheceram na adolescência não confirmaram isso) e que seu pai teria sido prefeito da cidade de Jafa, em Israel. Na verdade, seu pai chegou a trabalhar num escritório árabe (Christianity Today, outubro de 1992, pp. 52-54). O boletim The Berean Ca// (O Chamado dos Bereanos), de Oregon, em setembro de 1992, publicou os seguintes comentários de Hinn a respeito de Adão e Eva: Adão era um ser sobre-humano quando Deus o criou. Não sei se as pessoas chegam a saber disso, mas ele foi o primeiro super-homem que já existiu. Adão não só voava [como os pássaros], mas também voava para o espaço (...) com um pensamento ele estaria na Lua (...) podia nadar [debaixo d'água] sem perder o fôlego, e sua esposa fazia o mesmo (...) Ambos eram sobre-humanos.19 Em 1992, o jornal Mensageiro da Paz publicou uma nota sobre Benny Hinn: O livro Bom Dia, Espírito Santo, de Benny Hinn, está causando celeuma nos Estados Unidos. Ele passa a idéia de que existem nove deuses na Trindade. O autor se justifica afirmando que não soube explicar bem o que queria dizer.20