Translate

quarta-feira, 17 de maio de 2017

CRISTÃOS SÃO FORÇADOS A PAGAR MULTA POR IREM À IGREJA, NA ÍNDIA ALÉM DA MULTA, MUITOS CRISTÃOS SÃO OBRIGADOS A SE CONVERTEREM NOVAMENTE AO HINDUÍSMO E SOFREM DURA PERSEGUIÇÃO CASO SE NEGUEM. FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO SITE HELLO CHRISTIAN

Os cristãos na Índia sofreram uma difícil temporada em abril desse ano. É que para os membros da aldeia Junwani de Chhattisgarh, celebrar a Semana Santa foi um grande desafio. As autoridades da aldeia os proibiram de ir às igrejas no Domingo de Páscoa e multaram os cristãos por 312 dólares (o equivalente a 970 reais), ou seja, quase quatro a cinco meses de salário, por pessoa. Um cristão, Somari Komra, de 40 anos, foi multado por participar de um culto na Páscoa. Ele, junto com outros três, contou à International Christian Concern (ICC) como eles foram intimidados e forçados a permanecer como criminosos no meio de uma aldeia que se reúne no dia seguinte à Páscoa. Komra compartilhou: "Sabíamos que seríamos reunidos pelos líderes da aldeia para ir à igreja no domingo de Páscoa, quando cinco homens da aldeia foram vistos nas instalações da igreja para espionar e testemunhar contra nós", disse ele. Ao ser questionado, Komra reagiu às multas e restrições dizendo aos líderes da aldeia: "Eu estava sofrendo com doença física e transtorno mental, mas nenhum de vocês veio me ajudar. Nem os líderes da aldeia, nem a sociedade ajudou. Mas Jesus me fez bem quando eu passei a confiar nEle e comecei a ir à igreja”, ressaltou. “Eu não vou parar de ir à igreja e estou pronto para pagar a multa e enfrentar as consequências do boicote social. Se você me impedir de ir à igreja, então você deve assumir a responsabilidade da minha saúde”, adicionou. Reconversão Após este incidente, 15 famílias cristãs foram forçadas, pelos anciãos da aldeia, a se converterem de volta ao hinduísmo. Para aqueles que se recusaram, foram impostas duras restrições. Shivaram Tekam, membro de uma das 15 famílias, se lembra da cerimônia de reconversão: "Como sinal de conversão para nossa antiga fé, eu tive que dar duas galinhas, uma garrafa de vinho e 551 rupias à deidade da aldeia. O sacerdote, juntamente com os anciãos, sacrificou as galinhas à divindade. Esse sacrifício foi um sinal de me aceitar de volta à velha fé e à comunidade", disse. "Eu tinha que fazer isso porque eu frequentava a igreja no domingo de Páscoa", acrescentou. Depois disso, Shivaram encontrou-se com um pastor local. Ele disse ao pastor: "Eles podem me impedir de ir à igreja, mas eles não podem tirar Jesus do meu coração. Vou encontrar caminhos e vir secretamente à igreja”. Outro caso Kanesh Singh é outro cristão de Junwani, um homem de 55 anos. Ele se recusou a pagar a multa, além de não ter renunciado a sua fé em Jesus. Ele questionou abertamente os anciãos da aldeia, dizendo: "Que crime eu cometi? Por qual motivo eu deveria pagar a multa? Não roubei nada. Eu não tenho contaminado nenhuma mulher. Eu não briguei. Eu não matei ninguém. Se você acha que ir à igreja e adorar Jesus é o crime, eu vou cometer esse crime todos os dias", disse. Um pastor local, que preferiu não ter seu nome divulgado, disse à ICC: "Estes cristãos de Junwani estão enfrentando uma situação ainda mais perigosa para seguir Jesus. A polícia mal percebe seu clamor. Alguns são ousados ​​o suficiente para declarar sua fé em Jesus e estão prontos para enfrentar as consequências, enquanto outros, devido à sua vulnerabilidade, escolhem seguir o Senhor secretamente". Os cristãos na Índia, particularmente em Chhattisgarh, continuam a sofrer intensa perseguição por sua fé. Participar de um culto em um dia sagrado como a Páscoa ou Sexta-feira Santa está levando agora a multas, boicotes e humilhações públicas. Como incidentes como estes continuam a aumentar na Índia, quantos cristãos ainda enfrentarão situações semelhantes por nenhuma outra razão além de assistir a um culto na igreja? Se a Índia deve ser considerada uma democracia secular, certamente estes são os tipos de violações de direitos que devem ser reprimidos pelo governo.