Translate

segunda-feira, 8 de maio de 2017

MAIS INTERCESSÃO- A HISTÓRIA DO AVIVAMENTO AZUSA SEGUNDO FRANK BARTLEMAN

Certa ocasião enquanto eu e o irmão Boehmer orávamos, o Espírito Santo foi derramado de forma maravilhosa sobre diversas reuniões pelas quais orávamos. Sentimos que havíamos alcançado a Deus em favor deles. Os acontecimentos que se seguiram provaram nossa convicção. As orações mudam as coisas. Há um grande poder no tipo certo de orações. Veja o exemplo de Elias no Monte Carmelo, um homem "sujeito às mesmas paixões do justo" (Tiago 5:16). O arrependimento também se faz necessário neste contexto para que tudo funcione. "Confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros." Quase todos os dias em Los Angeles encontrava-me ocupado em evangelismo pessoas, distribuição de folhetos, oração ou pregação em alguma reunião. Estava escrevendo artigos para a imprensa religiosa sem parar. Orei e jejuei antes de ir, numa tarde, a uma reunião na lona em Pasadena.. O Senhor me ungiu de forma maravilhosa e vinte pessoas aceitaram a cristo. A essa altura o espírito de intercessão se apossara de mim de tal maneira que eu orava noite e dia; jejuava tanto, que minha esposa de vez em quando achava que eu iria morrer. As tristezas do meu Senhor estavam sobre mim. Eu estava no jardim do Getsêmani com Ele. "O penoso trabalho da sua alma" também estava sobre mim. Comecei a temer, como Ele temera, que não viveria para ver às respostas às minhas orações e lágrimas pelo Avivamento. Ma ele me consolava, mandando mais de um anjo para me fortalecer e eu ficava satisfeito. Senti que estava experimentando um pouco do que Paulo queria dizer quando escreveu: "preencho o que resta das aflições de Cristo", por um mundo perdido. Alguns temiam que eu estivesse ficando desequilibrado. Não conseguiam entender minha tremenda incumbência. Até hoje muitos não conseguem compreender. "O homem carnal não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura". Os homens egoístas não podem entender tal sacrifício. "Quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á." "Se o grão de trigo caindo na terra, não morrer...." Nosso Senhor era um "Homem de dores". Muitas vezes fui a Pasadena confiando que Deus me daria a passagem para voltar para casa. Numa ocasião o irmão Boehmer teve a impressão que eu estava para chegar. Ele foi à pequena Missão Peniel e me encontrou lá. Passamos várias horas em oração. Depois ele pagou minha passagem para a volta à casa. Muitas vezes passamos a noite inteira em oração. Naquela ocasião parecia um grande privilégio passar uma noite inteira com o Senhor. Ele ficava tão perto de nós. Parecia-nos que nem nos cansávamos nessas horas. Boehmer era jardineiro e jamais lhe pedi um centavo, mas ele sempre me dava alguma coisa. Depois de certo tempo, Deus usou não apenas seu dinheiro, mas sua própria vida em seu serviço. Boehmer foi um grande homem de oração. Deus nos ensinou o que significa não conhecer os outros na carne. Ele nos levou a um relacionamento tão intenso que o nosso companheirismo parecia ser só no Espírito. Além disso nosso "eu" parecia haver morrido com relação um ao outro.