Translate

sexta-feira, 12 de maio de 2017

O ÓDIO NÃO NOS CAI BEM “A BOCA FALA DO QUE O CORAÇÃO ESTÁ CHEIO” (LC 6.45) POR JOÃO EDUARDO CRUZ

Me diga uma coisa: Quando você lê uma postagem em uma Rede Social, ao examinar os comentários que se seguem, você consegue imediatamente distinguir quais foram feitos pelos cristãos e os não-cristãos? Há alguma coisa errada quando os discípulos de Jesus não conseguem se comportar como tal. Ser “Sal da Terra e Luz do Mundo”(Mt 5.13,14) não pode ser uma referência esquecida, ela é fundamental, é na realidade uma identidade, uma distinção entre nós e os perdidos. Se cremos, como Jesus disse, que “A boca fala do que o coração está cheio”(Lc 6.45) então temos uma enxurrada de pseudo cristãos vazios de Deus se arrogando de fazer parte de sua igreja. Seus perfis nas Redes Sociais afirmam uma fé em Cristo por fotos e postagens de versículos bíblicos que é negada sumariamente quando emitem suas opiniões.Um exemplo claro do que estou querendo dizer é como os cristãos tem se comportado nas Redes Sociais em relação aos contornos da política em nosso país. Em matéria de política acho que muitos cristãos têm justificado seu ódio antes reprimido pela moralidade religiosa – o que não significa conversão – como um sentimento natural por justiça. O problema é que os ensinos de Jesus não dão respaldo para isso, o Mestre nos orientou à “amar os inimigos e orar pelos que nos perseguem” (Mt 5.44). Mas se o indivíduo tem ódio reprimido e não redimido, é natural que aproveite oportunidades nas quais ninguém achará absurdo seu comportamento, mas… Jesus não vê assim. Eu particularmente tenho lutado em oração para clamar pela vida desses crápulas e parasitas da nossa sociedade sem necessariamente ser consumido pelo ódio. Me valho da máxima de que no lugar deles talvez fizesse coisa pior. Como cristãos precisamos, além de tudo, sempre que possível responder a razão da esperança que há em nós (I Pe 3.15), acredito que de certa forma isto é servir, ninguém precisa pensar como eu para ser meu amigo, mas sendo meu amigo terá sempre paciência de me ouvir assim como eu os ouço. Assumir essa postura de manter relações respeitosas com os diferentes não tirará de nós o testemunho de Cristo, muito pelo contrário. Crendo em um Deus soberano acredito que quem cruza minha história foi enviado por Ele para ter uma participação nela, e como o “bom samaritano” da parábola de Jesus, não posso ficar indiferente ou tratar com palavras de desprezo e baixo calão a quem encontro pelo caminho. Os cristãos vencidos pelo ódio incitado pela paixão à ideologias políticas, partidos ou personalidade públicas têm se perdido e deixado de dar um testemunho de fé. Posso até em certos momentos ser mal visto por isso, algumas pessoas acreditam que não podemos nos relacionar com quem discordamos, mas, ou aceitamos os ensinamentos de Jesus como são ou Ele não é realmente Senhor de nossas vidas e seus ensinos não passam de sugestões. O trono do nosso Eu é muito estreito, só cabe uma pessoa. Enquanto nos assenhorarmos de nossas vidas, seremos controlados por nossos impulsos carnais e em nada seremos diferentes daqueles que não são possuídos pelo Espirito Santo.