Translate

sexta-feira, 19 de maio de 2017

"OS PROFETAS DE DEUS PRECISAM SE LEVANTAR E CONDENAR A CORRUPÇÃO", DIZ ROBERTO DE LUCENA O DEPUTADO ROBERTO DE LUCENA FALOU COM EXCLUSIVIDADE SOBRE O CENÁRIO POLÍTICO ATUAL DO PAÍS E COMO DEUS TEM DIRECIONADO SUAS DECISÕES, COMO O VOTO CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA. FONTE: GUIAME, POR JOÃO NETO

As recentes notícias reveladoras a respeito do envolvimento do presidente Michel Temer e também do senador Aécio Neves em novos escândalos de corrupção voltaram a abalar a já ferida política brasileira e destruiu ainda mais a credibilidade desta diante do eleitor. Um pedido de impeachment contra Temer já foi protocolado pelo deputado Alessandro Molon (Rede Sustentabilidade). Porém há quem esteja vendo o atual momento político com proatividade, avaliando-o como uma fase de "faxina geral". É o caso do deputado federal Roberto de Lucena (PV-SP), que falou com exclusividade ao Portal Guiame sobre o atual cenário político do país e afirmou que este é um momento no qual as igrejas evangélicas também precisam se posicionar contra a corrupção. Questionado sobre a sequência de escândalos políticos que não cessaram com a execução do impeachment de Dilma Rousseff Lucena explicou que já era compreensível que o afastamento da então presidente petista não marcaria o fim da crise política no Brasil, mas sim o começo de uma longa caminhada. "Eu me lembro que na véspera do impeachment, no meu pronunciamento, eu disse que o impeachment em si não seria a solução. Ele seria o começo da solução, porque nós precisávamos, a partir do impeachment, entender que estávamos começando uma caminhada, que não terminava ali. Ela prosseguia e ainda prossegue. É uma caminhada difícil, árdua, longa. Nós precisamos fazer essa travessia com muita responsabilidade, com muito equilíbrio", destacou. "Começamos um processo irreversível, não podemos voltar atrás. Temos que ir adiante, fazer a travessia, aplicar os rigores da lei, de forma que que essa sensação de impunidade que havia no Brasil nunca mais volte, que as pessoas percebam que a lei é igual para todos e que o pau que bate em Chico, bate também em Francisco", acrescentou. Lucena também alertou aos evangélicos que é preciso prezar pela união neste momento, não perdendo mais tempo com discussões desnecessárias nas redes sociais e somando forças para combater a corrupção. "Não adianta irmos às redes sociais para ficar xingando, amaldiçoando. Às vezes eu fico preocupado com o comportamento dos nossos irmãos evangélicos nas redes sociais, que amaldiçoam pessoa A ou B, como se a nossa luta fosse contra carne ou sangue", afirmou. "As igrejas [evangélicas] precisam se posicionar. Somos 50 milhões de brasileiros, 1/4 da população. Creio que por meio das lideranças, a Igreja precisa, como instituição, condenar o desmando, o 'mal feito', a corrupção. Nós muito pouco ouvimos as manifestações das nossas lideranças sobre esses temas", comentou. O deputado que também é pastor afirmou que o país precisa ouvir o que os seus profetas têm a dizer e que estes, por sua vez, precisam se levantar e condenar este quadro vergonhoso que tem sido exposto no país. "O Brasil precisa ouvir a voz de seus profetas. Deus tem profetas nesta terra e eles precisam se levantar e condenar a corrupção, porque ela mantém os miseráveis na miséria, os pobres na probreza. Ela sequestra e desvia recursos, impedindo que a justiça social seja promovida através da verdadeira distribuição de renda, de igualdade de oportunidades", disse. Limpeza "O Brasil está sendo passado a limpo". A afirmação de Lucena destaca a esperança de que este momento turbulento não seja permanente e sim que o Brasil se assemelha a uma casa bagunçada que está sendo arrumada. "É claro que quando nós estamos orando e trabalhando, precisamos entender que há coisas que fazemos e outras que são respostas das nossas orações. Às vezes as coisas precisam piorar para depois melhorar. É só a gente ter agora em mente a imagem de alguém arrumando uma casa. Quem já entrou em uma casa onde está acontecendo uma faxina geral, se lembra que antes da casa ficar toda arrumada, ela fica muito bagunçada", explicou. "A mesma coisa está acontecendo com o Brasil e eu acredito na resposta de Deus às orações daqueles que amam esse país e oram pelo nosso país. Acredito que tudo que estamos vendo são respostas das nossas orações e também acredito que o Brasil está sendo passado a limpo. Agora, não adianta você pegar um tumor que precisa ser espremido e só espremer a metade, porque depois ele vai voltar e vai ficar pior que antes. Então tem que tirar tudo, tem que limpar", acrescentou. Roberto de Lucena finalizou seu depoimento, levando uma palavra de esperança aos cristãos brasileiros. "A minha palavra como pastor é de esperança. Não está nada perdido. Pelo contrário, isto tudo que estamos vivendo é o melhor sinal de que nós temos cada vez mais que amar e acreditar no Brasil. Só dá para amar um país onde as instituições funcionam, um país que decide tirar de baixo do tapete a sujeira que estava ali há centenas de anos e levá-la para o lixo, que é onde ela deve ser jogada", disse. "Precisamos orar como se tudo dependesse de Deus e trabalhar como se tudo dependesse de nós. Trabalhar significa fazer a nossa parte aqui no Congresso e os cidadãos fazerem a sua parte, sendo seletivos com relação ao voto", finalizou. Decisões independentes Tomar decisões independentes de acordos de bancadas ou partidos tem sido uma atitude de adotada por Lucena, pois ele acredita que isto é o mais correto a fazer. O parlamentar explicou que seus votos no Congresso Nacional são direcionados por suas orações e o que ele acredita que seja a vontade de Deus. Desta forma, Lucena acabou votando contra a reforma trabalhista e a terceirização no Congresso Nacional. "Eu só posso ser porta-voz se estiver autorizado, delegado a transmitir uma mensagem e essa mensagem que é o Brasil sob a perspectiva do Reino de Deus, de defendermos o pobre, a viúva, de falarmos em nome daquele que não tem voz. Essa busca nossa por ser um porta-voz não se traduz apenas no discurso que trazemos, mas no voto que nós damos. Então, como eu poderia votar uma terceirização que precariza direitos do trabalhador? Deus está sempre do lado do trabalhador, até mesmo que porque Ele é um Deus trabalhador", destacou. "Como eu poderia votar a favor de uma reforma trabalhista, sabendo que esta reforma trouxe injustiças em relação ao trabalho intermitente, precarizando direitos, salários, no momento em que temos 14 milhões de trabalhadores desempregados no Brasil? Como eu vou concordar que o trabalhador deixe de ter uma hora de almoço para ter meia hora? Daqui a pouco o patrão vai querer que ele tenha 15 minutos de intervalo", acrescentou. De igual modo, Lucena também se posicionou claramente contra a Reforma da Previdência. "Eu fui um dos primeiros a subir à tribuna e dizer que se o Congresso tivesse um pingo de descência, aquela proposta não passaria. Eu ajudei a melhorar muito o texto, com nove emendas. Oito delas foram acatadas, mas há muito ainda que precisamos conversar" Lucena destacou que tem buscado colocar a vontade de Deus acima dos acordos de bancadas e partidos para decidir seu voto nas aprovações dos projetos de lei. "Antes de ouvir bancada, preciso atuar alinhado, sintonizado com aquilo que eu acredito que seja a vontade de Deus", afirmou.