Translate

quinta-feira, 11 de maio de 2017

SEM DORIA, BOLSONARO DO PARTIDO SOCIAL CRISTÃO EMPATA TECNICAMENTE COM LULA EM DISPUTA PELA PRESIDÊNCIA, MOSTRA PESQUISA VANTAGEM DO PETISTA MUDA A DEPENDER DO CANDIDATO TUCANO CONSIDERADO NO LEVANTAMENTO, O QUE MOSTRA QUE BOLSONARO E DORIA DISPUTAM, EM PARTE, UM NICHO DO ELEITORADO EM COMUM

SÃO PAULO - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva continua liderando os dois cenários testados para a eleição presidencial de 2018 pela segunda pesquisa nacional feita pelo DataPoder360. Segundo o levantamento divulgado nesta quarta-feira (10), atrás do petista, disputam posição o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB). A depender do candidato tucano a entrar na disputa, Lula amplia vantagem em relação aos seus adversários. No primeiro cenário, considerou-se o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), como candidato do partido. Neste caso, as intenções de voto de Lula apresentaram leve variação de 24% em abril para 25% em maio. No segundo lugar, Bolsonaro teria 21% dos votos -- 3 pontos acima do percentual registrado em abril, no limite da margem de erro --, tecnicamente empatado com o petista. A líder da Rede Sustentabilidade, Marina Silva, por sua vez, apresentou recuo de 11% para 7%, ao passo que Alckmin foi de 8% para 4%. Ciro Gomes manteve os 5% registrados no mês anterior, ao passo que brancos e nulos oscilaram de 25% para 28%. 10% dos entrevistados não souberam responder -- no mês anterior, o número foi 1 ponto percentual menor. No segundo cenário, considerou-se João Doria como candidato do PSDB. Neste caso, as intenções de voto do ex-presidente Lula variam de 25% para 27%, dentro da margem de erro. Jair Bolsonaro apresenta variação de 14% para 17%, ao passo que João Doria se mantém com os 13% registrados anteriormente. Marina Silva, por sua vez, teve 6% dos votos dos entrevistados -- 3 pontos percentuais abaixo da marca do mês anterior --, ao passo que Ciro Gomes oscilou de 5% para 6%. 24% votariam em branco ou anulariam o voto -- 2 pontos-percentuais a menos que no levantamento anterior. O percentual dos que não souberam responder variou de 7% para 8%. O levantamento foi feito entre os dias 7 e 8 de maio. Foram entrevistados 2.157 brasileiros com 16 anos ou mais, em 243 municípios. A margem máxima de erro é de 3 pontos percentuais para cima ou para baixo. A pesquisa também perguntou aos entrevistados sobre as possibilidades de voto em seis candidatos: