Translate

terça-feira, 20 de junho de 2017

CRISTÃO É PRESO POR LIDERAR TRABALHO MISSIONÁRIO, NO PAQUISTÃO O SUL-COREANO FOI PRESO APÓS DESCOBRIREM QUE ELE ENSINAVA OUTRAS LÍNGUAS PARA MISSIONÁRIOS COM O OBJETIVO DE EXPANDIR AS POSSIBILIDADES DE EVANGELISMO. FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN TODAY

Um cristão sul-coreano foi preso e está sendo acusado de treinar pessoas da China para fazer trabalhos missionários no Paquistão. Ele chegou a ensinar línguas a dois cidadãos chineses que foram sequestrados e depois assassinados. A polícia local também prendeu membros de sua família. A escola do homem sul-coreano fica em Quetta, no sul do Paquistão. Ele morava no país há seis anos e liderava um trabalho missionário. Li Zingyang, de 24 anos, e Meng Lisi, de 26 anos, foram sequestrados e assassinados pelo Estado islâmico depois que descobriram que eles estavam usando vistos de negócios para realizar trabalhos missionários. Eles faziam parte de uma turma com cerca de 12 chineses que estavam estudando pelo menos um outro idioma em sua escola. "A família coreana estava treinando os cidadãos chineses para o trabalho missionário", disse o oficial da polícia de Quetta, Abdul Razzaque Cheema, ao jornal diário do Paquistão, DAWN. "Nós entrevistamos cerca de 50 pessoas que estavam em contato com os chineses e que receberam mensagens de texto ou chamadas deles. Todos confirmaram que os chineses estavam envolvidos na missão de evangelizar”, continuou. Sequestro e morte O site de notícias Christian Today relatou o sequestro e assassinato dos dois chineses no mês passado por homens armados que se apresentam como policiais. Um representante do Estado Islâmico informou que os homens foram mortos pelo grupo terrorista. O ministro observou que o fato é “altamente lamentável e que um mau uso dos termos do visto de negócios contribuiu para o infeliz incidente de sequestro e posterior assassinato de dois chineses inocentes”, disse. "Em vez de se engajar em qualquer atividade comercial, eles foram para Quetta para aprender o idioma urdu por meio de um homem coreano. Essas pessoas realmente estavam envolvidas na pregação", pontuou. Perseguição O incidente provocou pedidos de revisão dos processos de segurança e vistos do Paquistão para os cidadãos chineses e um banco de dados que rastrearia os cidadãos chineses que trabalham no Paquistão. O Ministério da Força da China disse anteriormente que cooperaria com o Paquistão na investigação e disse que se opõe a todas as formas de terrorismo. Com um total de 88 pontos, o Paquistão ocupa o 4º lugar na Lista Mundial da Perseguição 2017. Ano passado, o país ficou em 6º. O nível de pressão fica em um nível extremo e têm se espalhado mais ou menos igualmente em todas as esferas da vida, mas com maior pressão sobre a igreja. Além disso, a violência aumentou consideravelmente pelo segundo ano consecutivo.