Translate

quinta-feira, 8 de junho de 2017

FUNCIONÁRIO CRISTÃO É AFASTADO DE ESCOLA APÓS ORAR POR ALUNO, NOS EUA MESMO COM O CONSENTIMENTO DA MÃE PARA REALIZAR A ORAÇÃO, O SECRETÁRIO E O DIRETOR DA ESCOLA FORAM AFASTADOS DE SEUS CARGOS. FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN

O secretário de uma escola em Virgínia (EUA) foi afastado de seu trabalho por orar com um aluno que estava apresentando um comportamento inadequado em sala de aula. A oração foi considerada inaceitável pelo distrito escolar, mesmo com o conhecimento e consentimento da mãe do aluno. O caso veio à luz na semana passada, quando o diretor da McIntosh Elementary School e um secretário da escola, foram colocados em licença administrativa depois que o secretário orou por um estudante do jardim de infância que estava tendo "alguns desafios comportamentais", informou a Daily Press. No dia 17 de maio, o diretor Francis, um secretário que não foi identificado e o oficial de segurança da escola responderam a um pedido de assistência do professor do aluno sobre o comportamento do garoto, disse a porta-voz da Newport News Public Schools, Michelle Price. A mãe do aluno, que estava na escola na época, também correu para a sala de aula para ver o que estava acontecendo. Eles tentaram acalmar o menino, mas aparentemente não tiveram sucesso. O oficial de segurança e a mãe deixaram a sala, ficando apenas o professor, o diretor e o secretário com o aluno. Licença administrativa: Michelle Price disse que a mãe entendeu que o secretário faria uma oração com o aluno, com um óleo de unção usado nas igrejas, para tentar acalmá-lo. Os relatórios locais não disseram o que aconteceu a seguir. Seis dias depois, a divisão escolar veio a conhecer o fato, depois de receber um relatório anônimo sobre isso, de acordo com a imprensa. No dia 23 de maio, Francis e o secretário foram colocados em licença administrativa. Michelle explicou que a ação tomada não foi punitiva e foi feita apenas como parte dos procedimentos durante uma investigação. A divisão escolar ainda está investigando o incidente, segundo a advogada. Enquanto isso, o blogueiro ateu Hemant Mehta comentou o incidente, dizendo que a escola "parece ser administrada como uma igreja", referindo-se ao uso de óleo de unção para tentar acalmar a criança. Ele disse que mesmo se os administradores da escola tivessem o consentimento da mãe sobre o uso de óleo de unção em seu filho, "isso não significa que eles deveriam ter feito algo assim". O blogueiro ateu se perguntou se outros estudantes também estão sujeitos ao tratamento do "óleo de unção" quando se comportam mal.