Translate

sábado, 10 de junho de 2017

O PODER DA ORAÇÃO EM TEMPOS DE CRISE DIFERENÇA – PASTOR SAMUEL CÂMARA DA ASSEMBLEIA DE DEUS EM BELÉM IGREJA MÃE

Os tempos eram difíceis. Era preciso tomar uma decisão sobre a continuidade de uma fábrica. Assim, uma comissão foi criada para visitar toda a fábrica e julgar a sua eficiência. Foram-lhe mostrados todos os departamentos, alguns com várias máquinas grandes que estavam fazendo muito barulho. Depois, foram levadas a uma sala muito menor e mais silenciosa, onde nada havia além de uma pessoa e imensos painéis de controle. Um membro da comissão disse: “Isto não é muito importante, não há nada acontecendo aqui”. O guia sorriu e disse: “Ah, o senhor não compreende. Esta é a sala mais importante de todas. Aqui é lugar da fonte de poder da fábrica, de onde a força é enviada a todos os departamentos”. O líder da comissão emendou: “Certamente aqui não é o problema, é o início da solução. Temos de enfrentar a crise, trabalhar duro e salvar a fábrica”. Com certeza, podemos aprender aqui uma lição: na vida cristã, o lugar da oração é a “sala de força” de uma vida produtiva e vitoriosa. Tudo o mais no burburinho da vida depende dessa força-motriz. Nós precisamos de um lugar calmo onde possamos estar a sós com Deus, falar intimamente com Ele, e reverentemente estarmos abertos para receber Dele o poder de que precisamos para viver tanto a normalidade como para enfrentar as crises da vida. É lá que encontraremos a paz e a quietude que nos permite ouvir a voz de Sua instrução através da meditação na Sua Palavra. Já imaginou uma fábrica sem a sala de força? Já imaginou uma vida cristã produtiva e influente sem o poder da oração? Certamente isso explica a diferença entre a vida cristã vitoriosa, cujos entes se comportam como sal da terra e luz do mundo, e a vida cristã improdutiva e sem graça. Jesus ensinou o valor da comunhão íntima com o Pai, que podemos conseguir apenas com a sagrada reclusão do nosso lugar de oração. Ele disse: “E, quando orardes, não sereis como os hipócritas; porque gostam de orar em pé nas sinagogas e nos cantos das praças, para serem vistos dos homens... Tu, porém, quando orares, entra em teu quarto e, fechada a porta, orarás a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará” (Mt 6.6). Certamente, Jesus não era contra orar em público, mas estava advertindo sobre o mal que há na ostentação pública de uma suposta piedade, contra o orgulho de se achar melhor do que os outros. Jesus é o nosso exemplo-mor de relacionamento com o Pai, pela efetiva comunicação que demonstrou através da oração. Enquanto viveu aqui, Jesus nos mostrou a importância da comunicação com o Pai através da oração. Os evangelhos falam de cerca de vinte ocasiões em que Ele orou ao Pai celestial. E Ele orou em diferentes circunstâncias: no Seu batismo (Lc 3.21), durante pequenas pausas em Seu ministério (Lc 6.12), antes de ressuscitar Lázaro (Jo 11.41). E também orou por diversas razões: buscando por direção (Lc 6.12), para expressar o Seu desejo de realizar a vontade do Pai (Mt 26.39), e simplesmente para agradecer pela comida (Jo 6.11). Jesus jamais se descuidou da oração. Era o que poderíamos chamar de “guerreiro de oração”, pois pelo Seu costume de orar, inclusive a noite toda, parecia estar travando grandes batalhas em favor da salvação de nossas almas. Aqui estava Deus mesmo na pessoa do Filho – o único em quem habita todo o poder e sabedoria do Universo. Por causa dessa posição, pode ser difícil para alguns entender que Jesus precisasse levar uma vida de oração. Mas o fato é que Ele voltou-se para Deus o Pai em oração. Mas Ele também trabalhava duro. A lição contida aqui é óbvia: Jesus era Homem, perfeito, sem pecado, puro e santo, mas precisava estar a sós com Deus em oração para obter poder e cumprir a Sua missão. Se isso era necessário a Ele, quanto mais nós precisamos orar e trabalhar. As crises da vida não são a última palavra sobre a nossa vida, antes são oportunidades para crescermos e nos tronarmos vitoriosos, no poder da oração e na confiança em Deus. Aproveite para, a despeito de suas necessidades e problemas, se colocar diante do trono da graça, falado diretamente ao Pai em nome de Jesus, pois Ele realmente sabe de suas necessidades e se importa com você (Mt 6.8). As crises, as tribulações, os problemas da vida, não terão o poder de travar a sua vida nem de destruir você, se tão somente a sua confiança em Deus se mantém em oração e intimidade com Ele, confiando que Deus mesmo dará a primeira e a última palavra em sua vida. Então ore, confie em Deus, mantenha a intimidade, coloque tudo diante do altar da oração. E também trabalhe, faça a sua parte. Você pode orar em lugares diversos, mas Jesus ensinou sobre a importância de se ter uma “sala de força” (o nosso quarto), a sala mais importante de todas, pois é de onde a força é enviada a nossa vida toda. Quando enfrentarmos alguma situação difícil e viermos a perguntar: “Nesse caso, o que faria Jesus?”, a resposta certamente será: Ele tiraria tempo para orar ao Pai primeiro. Por quê? Porque Jesus conhecia o poder da oração, inclusive em tempos de crise.