Header Ads

MINISTÉRIO EM DEFESA DA FÉ APOSTÓLICA


PASTOR SERGIO LOURENÇO JUNIOR - REGISTRO CONSELHO DE PASTORES - CPESP - 2419

MARINA PROPÕE PLEBISCITO SOBRE ABORTO E MACONHA; BOLSONARO REBATE: “ELA SE ESQUIVA” "UM CHEFE DE ESTADO DEVE MOSTRAR A TODOS A SUA VERDADEIRA FACE", DESAFIOU BOLSONARO. POR JARBAS ARAGÃO

Marina Silva, 60 anos, tenta pela terceira vez consecutiva se eleger presidente do Brasil. Ela já tentou pelo PV em 2010, PSB em 2014 e agora foi lançada pela Rede Sustentabilidade, da qual é fundadora. Apesar de figurar em segundo lugar nas pesquisas recentes, sua falta de posicionamento gera o mesmo tipo de crítica dos pleitos anteriores. Nas entrevistas, Marina tem dado repostas vagas a questões que deveriam ser abordadas de frente por uma candidata que se define como evangélica. Recentemente, ela vem atacando seu principal oponente, o deputado Jair Bolsonaro (PSL). Às Páginas Amarelas da revista Veja desta semana, afirmou que ele é um “radical” e tenta minimizar o apoio que o capitão vem recebendo, sobretudo nas rede sociais.“Em que medida a crise política do Brasil tem relação com o apoio de parte do eleitorado a um candidato com o perfil radical de Bolsonaro?… Um primeiro momento da indignação sai muitas vezes como um berro de protesto. Mas ninguém fica berrando o tempo todo. Chega uma hora em que a consciência sussurra mais alto, e as pessoas começam a perceber que as saídas mágicas não têm base na realidade”, afirmou. Ao ser questionada sobre a descriminalização do aborto e da maconha, Marina voltou a falar em plebiscitos. “O aborto envolve questões de natureza ética, de saúde pública e religiosa. Defendo para esse tema, assim como para a descriminalização da maconha, que se faça um plebiscito. Esse é o caminho de ampliar o debate. Não se resolve o problema das drogas e do aborto rotulando alguém de conservador ou fundamentalista. Nós não queremos que mulher alguma tenha uma gravidez indesejada. Qual é a melhor forma para chegar a isso? Debatendo”, insistiu. Fiel ao seu estilo, Bolsonaro usou sua conta no Twitter para rebatê-la. O deputado lembrou que sempre se posicionou contra a liberação das drogas e do aborto e disse que “um chefe de Estado deve mostrar a todos a sua verdadeira face”. Na mesma postagem, avaliou que “Marina, ao sugerir plebiscito, sem dizer sua posição para temas tão relevantes, se esquiva e lava suas mãos no politicamente correto”. O revide do candidato do PSL recebeu atenção de vários órgãos de imprensa. Já os comentários nas redes sociais mostram que o eleitor brasileiro está mais interessado em propostas claras que em discursos evasivos, como os que a candidata da Rede continua fazendo.
Postar um comentário
Tecnologia do Blogger.