Translate

sábado, 20 de maio de 2017

A LIDERANÇA DAS REUNIÕES EM AZUSA - A HISTÓRIA DO AVIVAMENTO AZUSA SEGUNDO FRANK BARTLEMAN

O irmão Seymour foi aceito como o líder nominal. Mas não havia papa ou hierarquia. Éramos todos irmãos. Não tínhamos programas humanos. O Senhor mesmo liderava. Não havia uma classe sacerdotal, nem ações sacerdotais. Estas coisas surgiram depois à medida que o movimento apostatou. No princípio não tínhamos nem plataforma, nem púlpito. Todos estavam no mesmo nível. Os ministros eram servos na verdadeira concepção da palavra. Não homenageavam os homens pelo que possuíam a mais de recursos ou de instrução, mas pelos dons que Deus lhe dera. Ele colocava os membros no lugar certo do Seu corpo. Agora "coisa espantosa e horrenda se anda fazendo na terra: os profetas profetizam falsamente e os sacerdotes dominam de mãos dadas com eles; e é o que deseja meu povo. Porém, que fareis quando estas coisas chegarem ao seu fim?" (Jeremias 5:30,31). E também: "Os opressores do meu povo são crianças e mulheres estão à testa do seu governo" (Isaías 3:12). O irmão Seymour geralmente ficava sentado atrás de duas caixas vazias, uma em cima da outra. Usualmente mantinha a cabeça dentro de uma delas, durante o culto, em oração. Não havia orgulho aqui. Os serviços religiosos eram quase que contínuos. Almas sequiosas podiam ser encontradas sob o poder de Deus quase a qualquer hora, de dia ou de noite. Nunca o local estava fechado ou vazio. O povo vinha se encontrar com Deus. Ele estava ali. Por isso a reunião era contínua e não carecia de liderança humana. A presença de Deus tornava-se mais e mais maravilhosa. Naquele velho prédio de teto baixo e piso descoberto Deus fazia em pedaços homens e mulheres fortes e tornava a juntá-los outra vez para Sua glória. Era um tremendo processo de desmontagem e revisão geral. O orgulho e a auto-afirmação, a auto-importância e a auto-estima, não podiam sobreviver aqui. O ego religioso pregava rapidamente seu próprio sermão de enterro. Nenhum assunto ou pregação era anunciado de antemão e nenhum pregador especial havia para essa hora. Ninguém sabia o que iria acontecer e nem o que Deus faria. Tudo era espontâneo, comandado pelo Espírito. Queríamos ouvir Deus através de quem Ele falasse. Não fazíamos acepção de pessoas. Os ricos e cultos eram iguais aos pobres e ignorantes e era muito mais difícil para aqueles morrerem. Só reconhecíamos a Deus. Todos eram iguais. Nenhuma carne podia se gloriar na Sua presença, e Ele não podia usar quem tivesse opiniões próprias. Era reuniões do Espírito Santo, guiadas pelo Senhor. O Avivamento tinha de começar num ambiente humilde para que o elemento egoísta e humano não entrasse. Todos caíam juntos aos seus pés, com humildade. Todos se assemelhavam e tinham tudo em comum, neste sentido pelo menos. O teto era baixo e por isso as pessoas altas deviam dobrar-se. Ao chegarem a Azusa já tinham se humilhado, e estavam preparadas para as bênçãos. A forragem estava preparada para ovelhas, não ara girafas. Fomos libertos ali mesmo das hierarquias eclesiásticas e dos seus abusos. Queríamos Deus. Quando chegávamos à reunião evitávamos o máximo possível cumprimentar e conversar uns com os outros. Queríamos primeiro chegar a Deus. Colocávamos a cabeça em baixo de algum banco em oração e entrávamos em contato com os homens só no Espírito; não os conhecíamos mais na carne. As reuniões começam espontaneamente com testemunhos, louvor e adoração. Os testemunhos nunca eram apressados pela agitação do homem. Não tínhamos um programa preestabelecido que tinha de ser empurrado de qualquer maneira. Nosso tempo pertencia a Deus. Tínhamos verdadeiros testemunhos vindos diretamente de corações vibrantes com as experiências. Se não for assim, quanto menores forem os testemunhos melhor é. Uma dúzia de pessoas às vezes estavam de pé tremendo sob o poder de Deus. Não precisávamos que um líder nos indicasse o que fazer, mas também não havia desordem. Estávamos absorvidos em Deus nas reuniões, através da oração. Nossas mentes estavam voltadas exclusivamente para Ele, e todos Lhe obedeciam com mansidão e humildade. Em honra nós preferíamos uns aos outros (Romanos 12:10). O Senhor podia irromper através de qualquer um. Orávamos por isso continuamente. Alguém finalmente ficava de pé, ungido com a mensagem. Todos reconheciam isso e permitiam que acontecesse. Podia ser uma criança, um homem ou uma mulher. Podia ser do banco de trás ou do da frente. Não fazia diferença. Regozijávamos na obra do Senhor. Ninguém queria aparecer. Só pensávamos em obedecer ao Senhor. Na verdade, havia uma tal atmosfera divina que só um tolo se colocaria de pé sem verdadeira unção. E mesmo assim , não duraria muito. As reuniões eram controladas pelo Espírito diretamente do trono da graça. Verdadeiramente foram dias maravilhosos. Eu muitas disse que preferia viver seis meses naquela época do que cinqüenta anos de uma vida normal. Mas Deus ainda é o mesmo hoje. Só nós é que mudamos. Alguém podia estar falando. Repentinamente, o Espírito caía sobre toda a congregação. Deus mesmo fazia os apelos. Homens caíam por toda a casa como mortos numa batalha, ou corriam ao altar em massa buscando a Deus. A cena muitas vezes parecia uma floresta cheia de árvores caídas. Uma cena assim não podia ser imitada. Não me lembro de Ter visto um apelo sequer naqueles dias. Deus mesmo os chamava. E o pregador sabia quando parar. Quando Deus falava todos obedecíamos. Parecia algo temerário impedir a atuação do Espírito ou entristecê-lo. O local todo estava cheio de orações. Deus estava no Seu santo templo. À humanidade cabia ficar em silêncio. A glória do Shekinah1 estava ali. Aliás alguns diziam ter visto a glória do senhor envolvendo o prédio durante a noite. Eu não duvido. Mais de uma vez parei quando se aproximava deste local e orei pedindo forças antes de ousar continuar. A presença do Senhor era muito real.