Translate

domingo, 28 de maio de 2017

A AÇÃO DO ESPÍRITO NA MÚSICA - A HISTÓRIA DO AVIVAMENTO AZUSA SEGUNDO FRANK BARTLEMAN

Sexta-feira, 15 de junho, em Azusa, o Espírito derramou o coro celestial dentro de minha alma. Encontrei-me de repente, unindo-me aos demais que já haviam recebido este dom sobrenatural. Era uma manifestação espontânea e de tal arrebatamento que nenhuma língua humana poderia descrever. No início esta manifestação era maravilhosa, pura e poderosa. Temíamos reproduzi-la, como também com as línguas estranhas. Hoje em dia, muitos parecem não ter nenhum constrangimento de imitar todos os dons. É por isso que eles perderam grande parte do seu poder e influência. Ninguém podia compreender esse dom de cânticos espirituais além daqueles através dos quais se manifestava. Era realmente um novo cântico no Espírito. Quando o ouvi pela primeira vez numa reunião, um grande desejo entrou na minha alma de recebê-lo. Achava que expressaria muito bem todos os meus sentimentos reprimidos. Eu ainda não falara em línguas. A nova canção, no entanto, me conquistou. Era um dom de Deus de alto nível e apareceu entre nós logo que começou o trabalho em Azusa. Ninguém havia pregado sobre isso. O Senhor o havia derramado soberanamente junto com o derramamento do "restante do azeite", o batismo no Espírito da chuva serôdia. Manifestava-se à medida que o Espírito impulsionava as pessoas que tinham o Dom, individualmente ou em grupo. Às vezes era sem palavras, outra vezes em línguas. O efeito sobre o povo era maravilhoso. Havia uma atmosfera celestial como se os anjos mesmos estivessem presentes e houvessem se unido a nós. Provavelmente isto ocorria mesmo. Parecia fazer cessar toda a crítica e oposição, e era difícil até para os ímpios negá-los ou ridicularizá-los. Alguns condenam estes cânticos novos sem palavras. Mas não foi o som dado antes da linguagem? E não há inteligência sem linguagem? Quem compôs a primeira música? Temos sempre de seguir a composição de um algum homem que veio antes de nós? Somos adoradores demais da tradição. O falar em línguas não está de acordo com a sabedoria ou com o conhecimento humano. E por que não um dom de cânticos espirituais? De fato, estes são um desafio aos cânticos religiosos de ritmo moderno que usamos hoje. E provavelmente foram dados com este propósito. Entretanto alguns dos velhos hinos são muito bons de cantar também, e não devem ser desprezados. Alguém disse que cada novo Avivamento traz sua própria hinologia. E isto realmente aconteceu conosco. No princípio em Azusa, não tínhamos instrumentos musicais. Na realidade, não sentimos necessidade deles. Não havia lugar para eles no nosso louvor. Tudo era espontâneo. Não cantávamos nem com hinários. Todo os hinos antigos eram cantados de memória, vivificados pelo Espírito de Deus. "Veio o Consolador" era provavelmente o mais cantado. Cantávamos com corações cheios dessa experiência nova e poderosa. Oh, como o poder de Deus nos enchia e nos comovia! Os hinos sobre o "sangue" também eram muito populares. "A vida está no sangue." As experiências de Sinai, Calvário e Pentecostes todas tinham seus lugares certos no trabalho de Azusa, Contudo as novas canções era totalmente diferentes, pois não eram de composição humana, e não podiam ser falsificadas com sucesso. O corvo não pode imitar a pomba. Mais tarde começaram a desprezar este Dom quando o espírito humano se reivindicou outra vez. Colocaram-no para fora com o uso do hinário e hinos selecionados pelos líderes. Era como assassinar o Espírito e isto entristecia muito a alguns de nós; porém a corrente contrária era forte demais. Os hinários hoje em dia são em grande parte uma produção comercial e não perderíamos muito se não os tivéssemos. Os velhos hinos são violados pelas mudanças, e procuram produzir novos estilos todos os anos para que haja mais lucro. Há muito pouco espírito de adoração neles. Mexem com os pés, mas não com os corações dos homens! Os cânticos espirituais dados por Deus, no início, eram semelhantes a uma harpa eólica por sua espontaneidade e doçura. Na realidade, era o próprio sopro de Deus tocando nas cordas dos corações humanos ou nas cordas vocais humanas. As notas eram maravilhosamente doces tanto no volume quanto na duração. Eram às vezes impossíveis humanamente. Era o cantar no Espírito.
Postar um comentário