Translate

quarta-feira, 17 de maio de 2017

OS EFEITOS ESPIRITUAIS DO TERREMOTO - A HISTÓRIA DO AVIVAMENTO AZUSA SEGUNDO FRANK BARTLEMAN

Verifiquei que o terremoto havia aberto muitos corações. Eu distribuía especialmente meu último folheto, "A Última Chamada". Parecia muito apropriado depois do terremoto. Domingo , dia 22 de abril, levei 10.000 destes à Igreja do Novo Testamento. Os obreiros os aceitaram alegremente e logo os distribuíram por toda a cidade. Quase todos os pregadores do país estavam trabalhando a valer para provar que Deus nada tinha a ver com o terremoto e desta forma aliviar o medo do povo. O Espírito procurava tocar os corações com convicção através deste julgamento. Sentia-me indignado que os pregadores fossem usados por Satanás para abafar a voz do Senhor. Da mesma forma eles foram usados depois, durante a guerra. Até as professoras nos colégios trabalhavam com afinco para convencer as crianças que o terremoto não era obra de Deus. O diabo fez muita publicidade nesta área. Depois do terremoto passei muito tempo em oração e dormi pouco. O Senhor me mostrou definitivamente que Ele tinha uma mensagem para o povo. No Sábado seguinte deu-me parte dela. Na segunda-feira, deu-me o resto. Quando acabei de escrever era meia-noite e meia. Já estava pronta para ser levada ao impressor. Ajoelhei-me diante do senhor e senti Sua presença de uma forma muito forte como grande prova de que a mensagem era mesmo Sua. Devia mandar imprimi-la na manhã seguinte. Daquela hora até às quatro da manhã, fui maravilhosamente absorvido pela intercessão. Sentia a ira de Deus contra o povo e lutei muito contra ela em oração. Ele me mostrou que estava muito triste com a obstinação do povo mesmo em face do seu juízo sobre o pecado. São Francisco era uma cidade terrivelmente pervertida. Mostrou-me o Senhor que todo o inferno operava para, se possível, abafar Sua voz através do terremoto. A mensagem que Ele me deu era para contra atacar esta influência. Os homens negavam Sua presença no terremoto, mas agora Ele iria falar. Era uma mensagem terrível a que Ele me dera. Eu não deveria discutir sobre ela com ninguém, simplesmente entregá-la. Eles teriam de prestar contas ao Senhor. Senti todo o inferno contra mim nesta situação, o que depois ficou comprovado. Fui dormir às quatro horas, levantei-me às sete e corri com a mensagem para o impressor. A pergunta que havia em quase todos os corações era: "Foi Deus que fez isso?" Instintivamente sabiam que era assim. Até os ímpios estavam conscientes deste fato. O folheto foi logo composto, no mesmo dia já estava sendo impresso e na próxima tarde eu já tinha os primeiros exemplares. Senti que deveria levá- los logo ao povo o mais depressa possível. Lembrei-me que os dez dias que o Senhor me chamara para orar terminavam no dia em que recebi os primeiros exemplares desta folheto. Compreendia tudo agora claramente. Distribuí a mensagem rapidamente nas missões, igrejas, bares, empresas e na realidade em todos os lugares, tanto em Los Angeles, como em Pasadena. Além disso enviei pelo correio alguns milhares a obreiros nas cidades vizinhas para serem distribuídos. Todo o processo foi uma obra de fé. Comecei sem nenhum dólar. Mas o Senhor me supriu com os recursos necessários. Trabalhei muito todos os dias. O irmão e irmã Otterman os distribuíram em São Diego. Era preciso muita coragem. Muitos clamavam contra a mensagem. Por causa deste folheto passei toda espécie de experiência em Los Angeles. Todo o inferno se acometia contra mim. Deus enviou o irmão Boehmer de Pasadena para me ajudar. Ele ficava do lado de fora dos bares, orando enquanto eu entregava e os distribuía. Em alguns lugares ficavam tão furiosos que queriam me matar. As empresas estavam todas paradas depois do que ocorrera em São Francisco. O povo estava paralisado de medo. Este fator foi responsável por parte da influência que o folheto surtiu. A pressão contra mim foi tremenda. Todo o inferno se levantava para impedir que a mensagem fosse distribuída. Mas nunca vacilei. Senti sempre sobre mim a mão de Deus. O povo ficava abismado quando soube o que Deus tinha para falar a respeito de terremotos. O Senhor mandou-me a diversas reuniões com uma exortação solene para que todos se arrependessem e o buscassem. Na Missão Azusa tivemos um tempo de grande poder. Os irmão se humilhavam. Uma irmão de cor falava e orava em línguas. A atmosfera própria do céu estava ali. Domingo, dia 11 de maio, eu havia terminado a distribuição do meu folheto "O Terremoto". O peso que sentira desapareceu repentinamente. Meu trabalho estava concluído. Setenta e cinco mil folhetos haviam sido publicados e distribuídos em Los Angeles e no sul da Califórnia em menos de três semanas. Em Oakland, o irmão Manley, por sua própria vontade, havia impresso e distribuído mais cinqüenta mil nas cidades em volta da Baía de São Francisco e arredores no mesmo espaço de tempo. O terremoto de São Francisco fora verdadeiramente a voz de Deus para seu povo na costa do Pacífico. Foi usado de forma poderosa para convencer os incrédulos e preparar para a graciosa visitação que viria depois. Nos primeiros dias da Missão Azusa, tanto o céu como o inferno pareciam ter chegado à cidade. Os homens estavam a ponto de estourar e havia uma poderosa convicção sobre o povo em geral. As pessoas pareciam cair aos pedaços mesmo na rua sem nenhuma provocação. Havia como que uma cerca em volta da Missão Azusa feita pelo Espírito. Quando o povo a atravessava, a dois ou três quarteirões de distância, era tomado pela convicção dos seus pecados.
Postar um comentário