Translate

domingo, 4 de junho de 2017

TRAFICANTE TEM ENCONTRO COM DEUS E HOJE TIRA JOVENS DO VÍCIO PASTOR VICTOR TORRES CALCULA QUE JÁ AJUDOU 20 MIL PESSOAS A MUDAREM DE VIDA POR JARBAS ARAGÃO

Victor Torres tinha apenas 12 anos quando cometeu seu primeiro crime: esfaqueou um homem. Aos 14 anos, já estava viciado em heroína e começou a traficar. Quando chegou aos 18 anos, havia sido preso três vezes e tornara-se um dos líderes de gangues mais temidos da cidade de Nova York, onde morava. Hoje, ele é um evangelista e conta que já ajudou milhares de jovens a abandonarem a dependência das drogas e a vida de crime. “Minha história é uma prova que, não importa quão difíceis sejam as circunstâncias, não importa o que você sinta ou faça de errado, a redenção é possível”, afirmou Torres ao The Gospel Herald. “Eu quero que as pessoas saibam que tudo o que possam estar enfrentando, sejam drogas ou qualquer outro tipo de vício, nada é difícil demais para Deus”. A comovente mudança de vida experimentada por Torres é o tema do filme “Victor”, que acaba de estrear nos Estados Unidos. “Deus realmente usou este filme de forma poderosa, e isso afeta vidas”, acredita Torres. “O objetivo é oferecer uma nova compreensão sobre o que a esperança pode fazer. De fato, é disso que o mundo precisa hoje”. Na década de 1960, a família de Torres mudou-se de Porto Rico para o Brooklyn. Ele ainda era criança, mas lembra bem de como a adaptação foi difícil. “O ambiente era bastante pesado”, destaca. “Eu brigava na entrada e na saída da escola todos os dias. As coisas eram bastante difíceis no bairro onde eu estava crescendo”, sublinha. Ele conta que juntar-se a uma gangue foi o primeiro passo, depois veio o desejo de ganhar dinheiro fácil e o vício das drogas. Todos achavam que seu futuro era morrer nas ruas, como a maioria dos seus amigos. Mas Deus interveio. Sua mãe havia se convertido naquela época e começou a orar pelo seu filho incansavelmente, crendo que só Deus o salvaria da dependência química. “Às vezes, eu chegava em casa às 3 da manhã e a única coisa que eu ouvia era a voz da minha mãe, orando em seu pequeno quarto”, ressalta. “Eu costumava brigar com ela por causa isso. Gritava e pedia para que parasse, mas ela estava determinada a ver Deus mudar minha vida”. Dentro de pouco tempo o jovem conheceu o pastor David Wilkerson, que fundara poucos anos antes o ministério Desafio Jovem. “Eu estava tão desesperado quando cheguei aos 20 e poucos anos”, lembra Torres, que apenas de “não querer nada com a religião” aceitou ir para o centro de recuperação indicado pela mãe. Internado, Torres sofreu muito para abandonar a heroína. “A única coisa que me receitaram foi oração e Bíblia”, lembra. No terceiro dia, seu corpo todo tremia e doía pela falta das drogas.  Desesperado, ele caiu de joelhos, chorando e clamando a Deus por libertação. “Eu disse: Deus, não posso mais viver desse jeito. Preciso mudar. Se é verdade o que a minha mãe prega, por favor, dê-me a força e o poder de mudar”. Ele não ouviu uma resposta audível, mas conta que quando se levantou, sabia que havia tido um encontro com Deus. “A partir dali minha vida mudou. Tomou um rumo completamente diferente”, comemora. Após se libertar das drogas, Torres foi discipulado, treinado e passou a dedicar sua vida a ajudar outros que, como ele, viviam no vício. Em 1971, ele e sua esposa, Carmen, abriram um centro de recuperação na cidade de Richmond, Virginia. Ao longo dos últimos 46 anos, calculam que já ajudaram mais de 20 mil jovens, homens e mulheres a superarem o vício. Acima de tudo, o pastor Torres acredita que sua história é um exemplo do poder da oração. “Acredito que a cultura da droga é algo demoníaco. O inimigo está usando isso para destruir vidas, especialmente as dos jovens”, disse. Ele tem uma mensagem para os pais cujos filhos estão lutando com o vício: “Nunca desista. Lembre-se de que Jesus morreu na cruz por que os ama. Só Jesus pode quebrar essas cadeias que prendem as pessoas no vício”. Ele também acredita que os pastores deveriam pregar a Palavra de Deus aos jovens, “como nunca antes, porque eles estão procurando onde se agarrar”. Encerou dizendo que muita gente dizia que sua mãe deveria desistir dele. “Mas ela nunca deu ouvidos. Minha mãe apenas dizia: “Eu acredito que Deus vai responder a minha oração. Bem, ele respondeu”.
Postar um comentário