Translate

sexta-feira, 26 de maio de 2017

NOEMI: DEIXANDO PARA TRÁS O QUE PRECISA DEIXAR PARA TRÁS - MENSAGEM IMPACTANTE DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE PASTORES DO ESTADO DE SÃO PAULO – CPESP – PASTOR EDSON REBUSTINI

O nome Noemi significa agradável, bonita, alguém cheio de alegria. Ela era judia e casada com Elimeleque. Viveram na época dos juízes, depois da era das conquistas em Canaã. Ainda não havia Rei em Israel. Fome, dor e guerras civis, marcavam aquela sociedade, todas consequência da desobediência a Deus. Com a melhor das intenções, Elimeleque decide sair de Israel e ir para Moabe. Era um período duro de fome e a esperança de morar e um lugar melhor, fez com que ele tomasse essa atitude precipitada. Em Moabe as coisas não acontecem como o esperado. 10 anos se passam e Noemi perde seu marido e seus dois filhos. A desobediência sempre traz lágrimas, dor e perdas. O fato de amarmos a Deus, não quer dizer que nossa vida será um mar de Rosas. As vezes passaremos por lutas, vamos chorar, perder coisas e pessoas. Sofrimento. As escolhas erradas que fazemos na vida, cobrarão seu preço. É fácil questionarmos a Deus em momentos difíceis. Os traumas na vida de Noemi, transformaram-na em outra mulher. Ela não queria ser chamada de Noemi, ela tomou pra si outro nome: Mara (amarga). A amargura não vem por conta dos problemas. Ela vem dependendo de como lidamos com situações adversas na vida. As vezes estamos em um lugar de choro, mas Deus tem sempre outro lugar para nós. Ela toma uma decisão importante. Ela decide deixar Moabe para trás. Ao longo da vida podemos carregar muitas malas em nossa viagem, às vezes carregamos muito mais do que podemos carregar, mas precisamos entender a importância de deixar os traumas do passado. Deixe todo o peso que você carrega aos pés de Jesus. Deus sempre tem uma nova terra para nós, um lugar de alegria e Ele quer que sejamos pessoas com o coração cheio de esperança. É hora de parar de chorar. Viva em esperança, não na tristeza do passado. A dor não é para sempre. Nunca é para sempre. Deus sempre tem um tempo de alegria depois da tristeza.

OS EFEITOS ESPIRITUAIS DO TERREMOTO - A HISTÓRIA DO AVIVAMENTO AZUSA SEGUNDO FRANK BARTLEMAN

Verifiquei que o terremoto havia aberto muitos corações. Eu distribuía especialmente meu último folheto, "A Última Chamada". Parecia muito apropriado depois do terremoto. Domingo , dia 22 de abril, levei 10.000 destes à Igreja do Novo Testamento. Os obreiros os aceitaram alegremente e logo os distribuíram por toda a cidade. Quase todos os pregadores do país estavam trabalhando a valer para provar que Deus nada tinha a ver com o terremoto e desta forma aliviar o medo do povo. O Espírito procurava tocar os corações com convicção através deste julgamento. Sentia-me indignado que os pregadores fossem usados por Satanás para abafar a voz do Senhor. Da mesma forma eles foram usados depois, durante a guerra. Até as professoras nos colégios trabalhavam com afinco para convencer as crianças que o terremoto não era obra de Deus. O diabo fez muita publicidade nesta área. Depois do terremoto passei muito tempo em oração e dormi pouco. O Senhor me mostrou definitivamente que Ele tinha uma mensagem para o povo. No Sábado seguinte deu-me parte dela. Na segunda-feira, deu-me o resto. Quando acabei de escrever era meia-noite e meia. Já estava pronta para ser levada ao impressor. Ajoelhei-me diante do senhor e senti Sua presença de uma forma muito forte como grande prova de que a mensagem era mesmo Sua. Devia mandar imprimi-la na manhã seguinte. Daquela hora até às quatro da manhã, fui maravilhosamente absorvido pela intercessão. Sentia a ira de Deus contra o povo e lutei muito contra ela em oração. Ele me mostrou que estava muito triste com a obstinação do povo mesmo em face do seu juízo sobre o pecado. São Francisco era uma cidade terrivelmente pervertida. Mostrou-me o Senhor que todo o inferno operava para, se possível, abafar Sua voz através do terremoto. A mensagem que Ele me deu era para contra atacar esta influência. Os homens negavam Sua presença no terremoto, mas agora Ele iria falar. Era uma mensagem terrível a que Ele me dera. Eu não deveria discutir sobre ela com ninguém, simplesmente entregá-la. Eles teriam de prestar contas ao Senhor. Senti todo o inferno contra mim nesta situação, o que depois ficou comprovado. Fui dormir às quatro horas, levantei-me às sete e corri com a mensagem para o impressor. A pergunta que havia em quase todos os corações era: "Foi Deus que fez isso?" Instintivamente sabiam que era assim. Até os ímpios estavam conscientes deste fato. O folheto foi logo composto, no mesmo dia já estava sendo impresso e na próxima tarde eu já tinha os primeiros exemplares. Senti que deveria levá- los logo ao povo o mais depressa possível. Lembrei-me que os dez dias que o Senhor me chamara para orar terminavam no dia em que recebi os primeiros exemplares desta folheto. Compreendia tudo agora claramente. Distribuí a mensagem rapidamente nas missões, igrejas, bares, empresas e na realidade em todos os lugares, tanto em Los Angeles, como em Pasadena. Além disso enviei pelo correio alguns milhares a obreiros nas cidades vizinhas para serem distribuídos. Todo o processo foi uma obra de fé. Comecei sem nenhum dólar. Mas o Senhor me supriu com os recursos necessários. Trabalhei muito todos os dias. O irmão e irmã Otterman os distribuíram em São Diego. Era preciso muita coragem. Muitos clamavam contra a mensagem. Por causa deste folheto passei toda espécie de experiência em Los Angeles. Todo o inferno se acometia contra mim. Deus enviou o irmão Boehmer de Pasadena para me ajudar. Ele ficava do lado de fora dos bares, orando enquanto eu entregava e os distribuía. Em alguns lugares ficavam tão furiosos que queriam me matar. As empresas estavam todas paradas depois do que ocorrera em São Francisco. O povo estava paralisado de medo. Este fator foi responsável por parte da influência que o folheto surtiu. A pressão contra mim foi tremenda. Todo o inferno se levantava para impedir que a mensagem fosse distribuída. Mas nunca vacilei. Senti sempre sobre mim a mão de Deus. O povo ficava abismado quando soube o que Deus tinha para falar a respeito de terremotos. O Senhor mandou-me a diversas reuniões com uma exortação solene para que todos se arrependessem e o buscassem. Na Missão Azusa tivemos um tempo de grande poder. Os irmão se humilhavam. Uma irmão de cor falava e orava em línguas. A atmosfera própria do céu estava ali. Domingo, dia 11 de maio, eu havia terminado a distribuição do meu folheto "O Terremoto". O peso que sentira desapareceu repentinamente. Meu trabalho estava concluído. Setenta e cinco mil folhetos haviam sido publicados e distribuídos em Los Angeles e no sul da Califórnia em menos de três semanas. Em Oakland, o irmão Manley, por sua própria vontade, havia impresso e distribuído mais cinqüenta mil nas cidades em volta da Baía de São Francisco e arredores no mesmo espaço de tempo. O terremoto de São Francisco fora verdadeiramente a voz de Deus para seu povo na costa do Pacífico. Foi usado de forma poderosa para convencer os incrédulos e preparar para a graciosa visitação que viria depois. Nos primeiros dias da Missão Azusa, tanto o céu como o inferno pareciam ter chegado à cidade. Os homens estavam a ponto de estourar e havia uma poderosa convicção sobre o povo em geral. As pessoas pareciam cair aos pedaços mesmo na rua sem nenhuma provocação. Havia como que uma cerca em volta da Missão Azusa feita pelo Espírito. Quando o povo a atravessava, a dois ou três quarteirões de distância, era tomado pela convicção dos seus pecados.

3º AULA - CONVERSÃO- ESTUDANDO O CRISTIANISMO DE FORMA EFICIENTE - CENTRO DE FORMAÇÃO APOSTÓLICA

O Centro de formação Apostólica foi idealizado pelo Pastor Sergio Lourenço do Ministério Em Defesa da Fé Apostólica, para ser um lugar formador de homens e mulheres que desejam conhecer mais sobre a vida cristã apostólica, nosso objetivo é gerar crescimento, desenvolvimento e fortalecimento do Corpo de Cristo, através da palavra de Deus e da implantação do Mover Apostólico. Salientamos que todos os nossos cursos são modulares e cada módulo pode ser cursado de maneira independente.
 

LIÇÃO 6 - ONDE VOCÊ ESTÁ? - ESTUDANDO O ANTIGO TESTAMENTO - CENTRO DE FORMAÇÃO APOSTÓLICA

Qual é a nossa maior necessidade? O que acontece se não a satisfazemos? Deus deu tudo o que Adão e Eva precisavam. Eles tiveram que fazer a mesma escolha que todos temos que fazer: Vamos viver do jeito de Deus ou do nosso jeito? Gênesis 3 é uma figura do pecado e de como Deus tratou com os pecadores, com o pecado e com suas consequências. Deus persegue os pecadores e fez ao homem as mesmas perguntas que hoje faz a nós.

 

DEUS NÃO ESCOLHE OS CAPACITADOS - PASTOR SERGIO LOURENÇO DO MINISTÉRIO EM DEFESA DA FÉ APOSTÓLICA E MEMBRO DO CONSELHO DE PASTORES DO ESTADO DE SÃO PAULO

A paz do Senhor a todos, hoje gostaria de ministrar ao coração de cada um de vocês uma palavra de animo, para sua vida ministerial. Estava lendo um livro muito interessante do meu querido irmão em Cristo Pastor Silas Malafaia onde me deparei com uma frase que impactou o meu coração e reavivou a minha vida ministerial, a frase era de fato uma revelação e uma resposta para minha vida ministerial, se me lembro bem a frase era mais o menos  assim: “Deus não escolhe os capacitados, mais capacita os escolhidos”;  após ter lido esta frase fiquei pensando por alguns minutos e veio a mim a confirmação desta frase através do seguinte versículos que esta registrado em Filipenses capitulo 2 versículo 13 que diz assim:

PORQUE DEUS É QUEM EFETUA EM VÓS TANTO O QUERER COMO O REALIZAR SEGUNDO A SUA BOA VONTADE.  TRADUÇÃO DE JOÃO FERREIRA DE ALMEIDA

Gostaria de informar a cada um de vocês que a sua vida ministerial pertence ao Senhor, não rejeite o seu chamado, pois foi o próprio Deus que te chamou, e é Ele que vai usar a sua vida para efetuar o realizar da boa obra do Senhor, satanás vai tentar em numeras vezes te parar mais resista, pois foi o próprio Deus que te chamou para realizar esta obra, confia no Senhor teu Deus, e veras o impossível acontecer na sua vida ministerial, pois lembre-se Deus não escolhe os capacitados, mais capacita os escolhidos. Que Deus tenha misericórdia e te de entendimento amplo para viver esta bênção ministerial.







quinta-feira, 25 de maio de 2017

A MAIOR AMEAÇA À IGREJA NÃO É O ISLÃ, É NOSSO MAU TESTEMUNHO, ALERTA TEÓLOGO SUNDAY BOBAI AGANG RECOMENDA QUE A IGREJA FAÇA UMA AUTOCRÍTICA E REVISE SUA TEOLOGIA POR JARBAS ARAGÃO

O nome de Sunday Bobai Agang não é muito conhecido fora do continente africano, mas este professor de teologia e ética vem fazendo uma série de denúncias sobre a situação da Igreja na África, em especial na Nigéria, onde ocorre uma das maiores perseguições religiosas do mundo. Além dos jihadistas do Boko Haram, grupo extremista ligado ao Estado Islâmico, membros da etnia fulani – de maioria muçulmana – também tem matado cristãos, queimado casas e igrejas em nome de Allah. Agang acredita que, embora seja inegável o desdobramento de uma “agenda de islamização” em curso no mundo, a igreja de Cristo pode estar perdendo de vista uma ameaça que está “roubando o autêntico testemunho e a autoridade do cristianismo”. Para ele, isso é visto na teologia da prosperidade, que grassa nos púlpitos da África, bem como em boa parte das Américas. Realize o Seu Sonho de Tocar Piano sem Sair de Casa. Comece Agora! Na África, o islamismo entrou a partir dos países da África do Norte, como Marrocos e Egito. Embora tivessem uma longa tradição cristã, esta foi uma das primeiras regiões a ser conquistadas pela expansão inicial árabe-islâmica (séculos VII e VIII). Logo, os cristãos africanos não são alheios aos conceitos de jihad (guerra santa) que hoje assusta muitos países ocidentais. Contudo, aponta o teólogo nigeriano, além da religiosidade, a corrupção em suas muitas formas se espalhou pelas nações onde ainda existe presença cristã. Na Nigéria, por exemplo, o pastor Isaac Valentine Olori reclamou recentemente: “Estamos apreensivos porque a agenda do presidente Buhari está inclinada para a islamização deste país”. Ele também afirmou que “se um cristão pensa que está isento de sentir o terror da espada do Islã ele está enganado”. A resposta de Agang, compartilhada por outros líderes cristãos do país, é que a Igreja deveria ter medo de algo mais perigoso do que essa agenda de islamização: a decadência ética e moral que coroa a vida pública dos cristãos. “Não é que não acredite na possibilidade dos muçulmanos planejando islamizar o mundo. Nós, cristãos, muitas vezes estamos preocupados e aumentar nossa influência política, então por que deveríamos esperar algo diferente dos muçulmanos? Pelo contrário, me preocupo mais com a grave decadência moral e declínio ético que caracterizam agora o cristianismo em geral”, escreveu ele em um artigo reproduzido pela revista norte-americana Christianity Today. Os editores da publicação entendem que o alerta de Agang de várias maneiras também serve para a Igreja fora da África. “Hoje, muitos cristãos exibem estilos de vida decadentes e imorais. Nossa maior ameaça é o pecado em nossas próprias vidas. Esse pecado – qualquer pecado – é de fato letal. Precisamos colocar a nossa casa em ordem. A história está cheia de narrativas de grandes impérios e igrejas que caíram devido a sua falta de visão e corrupção. Assim, diante dos temores da islamização, não devemos esquecer o maior perigo, o pecado”, insiste o estudioso. Entre os vários aspectos destacado por ele está o fato de “Muitos cristãos que ocupam cargos públicos tornaram-se corruptos ou imorais, traindo seu testemunho público”. Sendo assim, acabam por ser um forte argumento contra o cristianismo que professam. “Eles não têm integridade e não podem dar um forte testemunho moral e ético. Falta-lhes a virtude da honestidade na vida pública”. O teólogo também reclama da maneira como a fé cristã é apresentada à sociedade. As propagandas se multiplicam, anunciando as próximas cruzadas e reuniões nas igrejas, com frases que confundem quem não pertence ao meio, não deixando claro que o centro da mensagem é Jesus. Elas parecem ser apenas uma desculpa para promover os líderes eclesiásticos. A corrupção da prosperidade Na avaliação de Agang, todas as denominações continuam empenhadas em evangelizar, e algumas continuam preocupadas em dar um bom testemunho com ações que refletem na prática o amor do Cristo que pregam. Contudo, é inegável que a ênfase indevida na saúde e na riqueza mudou permanentemente a face do cristianismo nas últimas décadas. “Os pastores e os membros da igreja estão agora mais interessados ​​em construir edifícios bonitos do que alcançar os povos que não têm acesso ao evangelho. Muitos pastores estão obcecados com bens materiais, às vezes possuem um ou mais jatos particulares! A corrupção dos valores morais cristãos juntou-se ao culto do materialismo e do prazer. Nosso verdadeiro deus é agora mamom (Mt 6:24)”, acusa. Ele conclui que há muitos cristãos “preocupados em guardar a nossa fé contra a ameaça da islamização, mas, ao mesmo tempo, se afundam na imoralidade, no materialismo e no paganismo”. Enquanto as igrejas estiverem voltadas somente para si, relegando a segundo plano o cerne da mensagem da vinda do Reino – arrependimento, segundo Mateus 3:2 – torna-se muito difícil elas serem vistas como sal e luz na sociedade. Embora reconheça que não existe uma solução fácil para esse problema complexo, o teólogo sugere uma volta às origens, às palavras de Jesus. “Esse medo de uma agenda de islamização não pode nos desviar de nossa principal preocupação: sermos semelhantes a Cristo, pregarmos sobre uma vida santa e de integridade moral. Os que estão preocupados com a propagação do Islã, deveriam estar igualmente preocupados com o testemunho ruim que damos à nossa sociedade”.

ISLÂMICOS COMETEM GENOCÍDIO CONTRA MULHERES; MÍDIA IGNORA PORTAS ABERTAS DENUNCIAM QUE CRISTÃS SOFREM UMA “DUPLA PERSEGUIÇÃO” POR JARBAS ARAGÃO

Geralmente quando a mídia usa o termo “guerra contra as mulheres” geralmente é para falar sobre a legalização do aborto ou outros temas pautados por movimentos feministas. Contudo, a maior parte dos meios de comunicação se abstêm de cobrir a verdadeira guerra contra mulheres – as que são escravizadas e torturadas por sua fé por radicais islâmicos. A diretora de Ações Institucionais da Missão Portas Abertas EUA, Kristin Wright, falou com o Centro de Pesquisa de Mídia sobre a perseguição aos cristãos em todo o mundo e como se evita usar o termo genocídio, embora seja exatamente o que está acontecendo. De acordo com um documento das Nações Unidas de 1948, genocídio significa “qualquer um dos seguintes atos cometidos com a intenção de exterminar, no todo ou em parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso”, o que inclui matar e causar sérios danos físicos ou mentais, além do sequestro de crianças”. Isso é considerado pela Organização um “crime contra a humanidade”. Realize o Seu Sonho de Tocar Piano sem Sair de Casa. Comece Agora! Apesar de se enquadrar nessa descrição, o relatório da Comissão Internacional Independente de Inquérito das Nações Unidas sobre a Síria, presidida pelo brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro negou-se a admitir que os cristãos estão sendo vítimas de genocídio, optando por citar apenas outras “minorias”. Kritin enfatizou que as mulheres enfrentam uma “dupla perseguição” em muitos países. Para ela, a imprensa deveria fazer mais. “Definitivamente não estão cobrindo o suficiente”, desabafou, pontuando que o assunto é ignorado ou minimizado na maioria dos veículos da grande mídia. “Nós definitivamente deveríamos estar vendo e ouvindo mais sobre a situação dos cristãos que enfrentam perseguição, bem com membros de outros grupos de fé.” Como exemplo, ela cita o sequestro das 276 meninas de Chibok, Nigéria, sequestradas pelos extremistas do Boko Haram em 2014. “Esta história ganhou as manchetes logo que aconteceu. Mas o que ouvimos sobre isso nos últimos três anos? Quase nada. “Mesmo quando eles mostram algumas delas sendo libertadas, como ocorreu com 82 na semana passada, a motivação religiosa para o crime é sempre omitida dos relatos jornalísticos. “Definitivamente há uma guerra contra as mulheres. Não há dúvida sobre isso”, acrescentou a diretora. “Se você olhar para todas as maneiras como as mulheres sofrem… são histórias dolorosas, absolutamente devastadoras, e sinto que elas não estão sendo contadas tão frequentemente quanto deveriam”, lamentou Como advogada de direitos humanos, Wright já se encontrou com vítimas do Estado Islâmico, tanto cristãs quanto yazidis que foram estupradas, sequestradas e viram membros de suas famílias serem mortos diante de seus próprios olhos. A Portas Abertas, a ONG cristã em que ela trabalha, mantém vários trabalhos com refugiados e dedica uma atenção especial às mulheres. Em um desses locais, no Iraque, ela ouviu vários testemunhos chocante de cristãs. Essas histórias “precisam ser divulgadas”, disse Wright, lembrando que na maioria das nações islâmicas as mulheres cristãs sofrem duplamente, tanto pela sua fé quanto pelo seu gênero. “São vistos como a parte inferior da sociedade, tratadas como alguém que pode ser estuprada, forçadas a casar ​​ou a se converter, e não há qualquer punição aos perpetrador”. Expectativa de mudança Apesar de o governo Barack Obama ter dado um péssimo exemplo, tentando de todas as formas desvincular a morte premeditada de cristãos pelos muçulmanos de motivações religiosas – no que continua sendo seguido pelos governos europeus – o quaro começou a mudar este ano, com o início da administração Donald Trump. Logo após sua vitória nas eleições, ele afirmou que iria proteger os cristãos perseguidos. No último dia 10, o vice Mike Pence reafirmou essa disposição. “Saibam, com segurança, que o presidente Trump reconhece esses crimes como atos vis de perseguição, impulsionados pelo ódio, ódio ao evangelho de Cristo. O presidente sabe quem são as pessoas que cometeram esses crimes. Eles são a encarnação do mal em nossos dias. E ele os chama pelo nome: terroristas islâmicos radicais”, denunciou. Segundo o Centro de Pesquisa de Mídia, nos últimos dois anos e meio, os telejornais mais vistos do mundo relataram apenas 60 vezes a perseguição aos cristãos no Oriente Médio, na África e no Sul da Ásia. Desses 60 relatos, apenas seis usaram a palavra “genocídio”. No mês passado, um estudo do Centro de Estudos sobre Religiões mostrou que os cristãos são o grupo mais perseguido do mundo” com “até 600 milhões” sendo “impedidos de praticar sua fé de alguma maneira” em 2016.

ESTADO ISLÂMICO ASSUME AUTORIA DE ATENTADO DURANTE SHOW EM MANCHESTER POLÍCIA CONTABILIZA 22 MORTOS, INCLUINDO PELO MENOS 10 CRIANÇAS POR JARBAS ARAGÃO

Quando um motorista atropelou e matou seis pessoas na ponte de Westminster, Londres, em março, a polícia inglesa evitou admitir que se tratava de um atentado terrorista até que as provas começaram a aparecer na internet. Pouco tempo depois, o Estado Islâmico assumiu a autoria. Na noite desta segunda-feira (22) mais de 20 mil jovens estavam na Manchester Arena, no Reino Unido, para assistir um show da cantora por Ariana Grande. No final do espetáculo, uma explosão perto da porta de saída ceifou a vida de pelo menos 22 pessoas e deixou outros 120 feridos, alguns em estado grave. As testemunhas dizem apenas ter ouvido “um enorme barulho” no fim do show, logo a pós a última canção, quando as luzes começavam a ser acesas. Vídeos e fotos nas redes sociais mostram pânico dentro e fora do local. Pelo estado em que ficaram os corpos das vítimas, era inegável que se tratava de um ataque suicida. Realize o Seu Sonho de Tocar Piano sem Sair de Casa. Comece Agora! A cantora não foi ferida. Ariana Grande tinha saía do palco quando a explosão foi ouvida. Policiais que foram para a Arena descreveram o ambiente como “cenário de guerra”. Desde o início as autoridade evitavam em admitir que se tratava de um novo atentado em solo inglês, mas os relatos de pedaços de metal atingindo e ferindo muitas pessoas levantava a suspeita de ser uma “bomba de pregos”. A jovem Abby Mullen, que estava no local, decidiu sair antes do final e relata: “Saí logo antes da última canção porque queria chegar em casa mais rápido e não precisar esperar muito tempo por um táxi”. Ela afirma que a bomba explodiu em frente a ela: “Havia pele e fezes por toda parte, incluindo no meu cabelo e minha bolsa”. O Daily Mail, um dos maiores jornais do Reino Unido foi o primeiro a afirma que se tratava de um homem-bomba, mas não divulgou nomes, uma vez que a polícia ainda investiga o caso. A maioria dos periódicos brasileiros falava apenas em uma ‘explosão’. As forças de segurança inglesas estão seguindo todos os protocolos pós atentados terroristas, adiantou no início da madrugada a televisão britânica Sky News. Uma postagem no perfil Polícia de Manchester no Twitter era o único pronunciamento oficial mencionando terrorismo até o final da noite. Na manhã de terça (23) a primeira-ministra Theresa May deu uma coletiva em Londres onde admitiu que o ataque fora realizado por um simpatizante do Estado Islâmico. Nos aplicativos de mensagens usados pelos jihadistas, os extremistas avisavam que um “soldado do califado” foi responsável pela bomba. Ele teria morrido na explosão, mas seu nome não foi divulgado. A polícia já prendeu um homem de 23 anos, suspeito de envolvimento. May afirmou que o atentado em Manchester se destaca por sua “covardia terrível e repugnante de deliberadamente ter como alvo crianças e jovens inocentes e indefesos”. Entre os mortos há pelo menos uma dezena de crianças. A lista oficial das vítimas ainda não foi divulgada. Este atentado foi o segundo maior na Inglaterra desde as explosões de julho de 2005, na capital inglesa, quando 56 pessoas morreram. Desde março o nível de segurança no Reino Unido está na categoria “severo”, o segundo maior na escala. A unidade de contraterrorismo divulgou recentemente que diariamente há pessoas sendo presas ou interrogadas em investigações para prevenir atentados.

HONRE A SUA FAMÍLIA COMO CRIADOR, DEUS TEM PLANOS EXTRAORDINÁRIOS, SURPREENDENTES, INIMAGINÁVEIS PARA AS NOSSAS FAMÍLIAS! POR ANDERSON VIEIRA

Vós, filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, porque isto é justo. Honra a teu pai e a tua mãe, que é o primeiro mandamento com promessa; para que te vá bem, e vivas muito tempo sobre a terra. E vós, pais, não provoqueis a ira de vossos filhos, mas educai-os de acordo com a disciplina e o conselho do Senhor”. (Efésios 6.1-4) Como Criador, Deus tem planos extraordinários, surpreendentes, inimagináveis para as nossas famílias! No plano de Deus para a família, cada indivíduo tem um papel a desempenhar e esse papel deve ser feito da melhor maneira possível, independente da falibilidade do outro. Realize o Seu Sonho de Tocar Piano sem Sair de Casa. Comece Agora! Uma das chaves para relacionamentos bem-sucedidos no seio familiar é considerar que os outros são mais importantes do que nós mesmos. Confiar em Deus e seguir seus planos é o único caminho de sucesso verdadeiro para as nossas famílias. Quando esses princípios são negligenciados, famílias fracassam. Quando os princípios são respeitados a família cresce e prospera. Deus nos deixou exemplos de várias famílias na Bíblia Sagrada – Adão e Eva, Noé, Abraão, Isaque, Jacó, Davi. Suas vidas foram descortinadas para que pudéssemos ver como elas foram abençoadas quando obedeciam a Deus e como tiveram dificuldades quando desobedeciam ao Senhor. Às vezes, pelo fato de não honrarem uns aos outros, havia amargura, ciúmes e até assassinato. O primeiro assassinato registrado na Bíblia foi entre irmãos, Caim matou Abel. José foi vendido como escravo por inveja. Os filhos do sacerdote Eli, Hofni e Finéias desonraram a seu pai e ao povo de Israel. E muitos outros casos estão relatados entre as famílias bíblicas. A maioria dos problemas de ordem familiar tem como origem o descumprimento das diretrizes bíblicas para o bem-estar da família! Um princípio crítico para o crescimento espiritual de uma família frequentemente negligenciado é o da “honra”. Vejamos alguns textos bíblicos acerca de princípios de honra na família: Vós, mulheres, sujeitai-vos a vossos maridos, como ao Senhor. (Efésios 5.22) Assim devem os maridos amar as suas próprias mulheres, como a seus próprios corpos. Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo. (Efésios 5.28) “Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor teu Deus te dá.” (Êxodo 20.12) A definição de honra No Novo Testamento, honra significa “um apreço”. Honra é o sentimento do dever; Dignidade; Boa fama; Demonstração de respeito; Honrar é colocar o outro como primeiro. O verbo honrar significa distinguir, fazer diferença. Quando “honramos” um familiar demonstramos que essa pessoa é extremamente valiosa aos nossos olhos. O oposto também é verdadeiro. Podemos demonstrar que um familiar tem pouco valor pela forma em que o tratamos. Famílias onde não há honra, casamentos são arruinados; filhos se rebelam; parentes se agridem física e verbalmente; festas são constrangedoras, pois um parente não fala com o outro. Família onde não há honra, não há gratidão, não há respeito, não há admiração. Família onde não há honra tem como marca o azedume da vida, o mal humor, a falta de paciência, e chegar em casa após o trabalho é um fardo difícil de carregar. Enfim, uma família desonrada colhe frutos amargos e os danos são incalculáveis. A pergunta ideal diante deste quadro seria: como podemos restaurar a honra de nossas famílias? Decida honrar a sua família. A palavra decidir aponta para decisão. Deus disse, “tratai todos com honra” (1 Pedro 2.17), “preferindo-vos em honra uns aos outros” (Romanos 12.10), “considerando cada um os outros superiores a si mesmo” (Filipenses 2.3). Temos que tomar a decisão de honrar as pessoas que Deus colocou sob para fazerem parte da nossa vida. Filhos, valorizem os seus pais. Pais, valorizem os seus filhos. Esposas, valorizem seus maridos. Maridos, valorizem suas esposas. Irmãos valorizem seus irmãos. Sogras, valorizem seus genros e noras. Noras e genros, valorizem suas sogras. Deus espera que honremos nossos familiares. Um exemplo clássico da inversão dos valores familiares se dá em velórios, onde você muitas vezes os filhos ou algum ente querido chorando copiosamente pela perda da pessoa, contudo, quando a pessoa estava viva, não havia respeito, honra, amor, enfim, não havia demonstração de carinho. Aí quando a pessoa vem a falecer, envia-se uma coroa de flores e alguns fazem questão de pegar a alça do caixão. Decida honrar a sua família em vida. Não espere um familiar seu morrer para dar valor. Ame hoje. Presenteie hoje. Seja feliz hoje. Decida respeitar a sua família O apóstolo Paulo disse para os maridos serem o cabeça, amarem suas esposas, sacrificarem-se por elas, alimentarem e cuidarem delas (Efésios 5.22-31). Às esposas foi dito para serem submissas, temerem e respeitarem seus maridos (Efésios 5.22-33). É dito aos filhos que devem obedecer seus pais (Efésios 6.1). A Bíblia Sagrada aponta o tempo todo para atitudes práticas de amor e respeito. Não adianta falar que amamos a nossa esposa ou filhos, ou qualquer outro familiar, se as nossas atitudes demonstram o contrário. O nosso falar deve estar em concordância com as nossas ações. A atitude de honra cria um ambiente saudável e aconchegante para que a nossa a família cresça diante de Deus e dos homens. Decida cuidar da sua família à luz da Palavra de Deus Mas, se alguém não tem cuidado dos seus, e principalmente dos da sua família, negou a fé, e é pior do que o infiel. (1 Timóteo 5.8) Há muita gente negligenciando a sua família, desonrando os seus familiares. Muitas vezes usando como argumento as próprias atividades da igreja para deixar de honrar os pais ou algum outro ente querido. Mas a Bíblia diz que quem age assim negou a fé e é pior que o infiel. Vemos pessoas querendo ganhar a sua família para Jesus por meio de palavras e discussões. Esquecemo-nos que a maior estratégia de evangelismo não são palavras, mas atitudes. O dia que a sua família enxergar Cristo em você, aí então eles começarão a se converter ao Senhor. Aí você vai declarar como Josué, eu e minha casa servimos ao Senhor! Decida amar a sua família O apóstolo João disse, “Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e enviou o seu Filho como propiciação pelos nossos pecados. Amados, se Deus de tal maneira nos amou, devemos nós também amar uns aos outros” (1 João 4.10-11). Ame a sua família ainda que ela não mereça o seu amor. A sua família pode ser complicada, cheia de problemas, mas é a família que Deus te deu. Seja grato a Deus pela sua família. Ame-os assim como Deus nos ama. Perdoe os seus pecados. A partir de então, a felicidade inundará o seu lar, tornando-o um pedacinho do céu! Em Cristo,

O TRÁGICO FIM DA FAMÍLIA DE ATEUS MURRAY-O’HAIR “NÃO HÁ DEUS. NÃO HÁ CEUS. NÃO HÁ INFERNO. NÃO HÁ ANJOS. QUANDO VOCÊ MORRE, É ENTERRADO E OS VERMES O COMEM.” (MADALYN MURRAY O’HAIR, MILITANTE ATEIA E MARXISTA NORTE-AMERICANA) POR MOISÉS C. OLIVEIRA

Esse artigo tem sua relevância por trazer ao leitor brasileiro um fato histórico que reflete ainda hoje seus desdobramentos na relação da Igreja com o Estado. Trata de uma família que a despeito de todas as possibilidades contrárias, revelou um homem que dedica-se a divulgar o Evangelho mundo afora. William J. Murray, filho de Madalyn Murray O’Hair, a mulher que sozinha, levantou-se com ousadia contra cristãos norte-americanos e conseguiu aplicar-lhes um duro golpe que culminou em abolir a prática de um princípio que fazia parte do legado e da história daquele povo. Devido a extensão da história, o artigo está dividido em duas partes e muitos detalhes são omitidos, procurando focar no essencial dos fatos. A primeira vai contar a história da conversão de William J. Murray e de como ele tornou-se num instrumento de Deus para trabalhar em prol da Igreja, mundo afora. A segunda vai tratar especificamento do fim trágico da família Murray O’Hair. Madalyn Murray O’Hair, matriarca da conturbada família, é daqueles personagens controversos que constam da história norte-americana recente, recheados de detalhes pitorescos que mais lembram literatura de terror. A revista Vanity Fair numa cobertura que fez sobre ela em determinada época, acabou cunhando o termo de “mulher mais odiada da América”. Fato que Madalyn, nunca se preocupou em refutar; mas que ao contrário, confortavelmente orgulhava-se de ostentar. Realize o Seu Sonho de Tocar Piano sem Sair de Casa. Comece Agora! A vitória nos tribunais e a fama Muito desse ódio que os norte-americanos nutriam era por conta do processo que Madalyn moveu em 1963, alegando o constrangimento que seu filho era exposto ao ter que participar das orações e leitura da Bíblia feitas nas escolas já que sua família era de orientação ateia. Esse processo foi parar na Suprema Corte dos EUA que acabou por banir a prática e ao mesmo tempo projetou-a no cenário político da época. Madalyn soube tirar proveito da sua exposição, além de mostrar-se muito habilidosa em jogar o jogo midiático e faturar alto em cima da polêmica criada com a sentença final a seu favor. Ela nunca teve temor algum em incorporar o vilão da vez. Por incrível que pareça, esse mesmo princípio poderá livrar as crianças de lá de serem doutrinadas por professores esquerdistas nas escolas, como vem ocorrendo paulatinamente, conforme pode ser acompanhado em noticiários. (…) onde o pecado abundou, superabundou a graça; (Rm 5:20) Uma ótima fonte para se conhecer mais sobre Madalyn é através dos depoimentos narrados no livro que seu filho William J. Murray publicou nos EUA: “Minha vida sem Deus” (My Life Without God, USA, 2000). Nesse livro William narra a sua tempestuosa trajetória de vida, desde sua infância e adolescência sob o domínio de sua mãe, de como tornou-se um dependente do álcool e das drogas e finalmente sua conversão ao cristianismo. Madalyn teve William J. Murray de um relacionamento extra-conjugal com o oficial William Murray quando servia no Corpo Auxiliar Feminino durante a Segunda Guerra Mundial. Embora ela tenha tentado de todas as formas que ele se divorciasse da esposa e casasse com ela, isso nunca aconteceu. Mesmo sem o casamento, ela acabou dando o nome do pai biológico ao seu filho e posteriormente até acrescentou ao seu próprio nome o sobrenome Murray. O terceiro nome O’Hair veio depois quando ela se casou pela terceira vez com Richard O’Hair. Madalyn ainda teria outro filho fora do casamento, Jon Garth Murray. A rotina da família Murray era de constantes brigas e gritarias entre os avós, um tio, mãe e filhos (moravam todos juntos). A televisão estava constantemente ligada em volume altíssimo que aguçava ainda mais o estresse. Fato curioso que William aponta é que ele não soube que Madalyn era sua mãe até os 8 anos; tratando-a apenas pelo nome. Só vindo a saber disso quando ela mesma contou para ele. Ele cresceu presenciando pratos serem arremessados constantemente e até facas, durante as brigas da mãe com o pai dela. Madalyn chegou a propor que William assassinasse seu avô após uma de suas brigas. Quando seu avô morreu de um ataque cardíaco, ele lembra-se apenas dela ter recomendado que se comprasse o caixão mais barato possível. O grande momento na história da família se deu quando Madalyn foi buscar William na escola e presenciou a classe recitando a promessa de lealdade aos EUA numa cerimônia de saudação à bandeira. Questionando William, descobriu que além dessa cerimônia, ainda oravam e recitavam a Bíblia. A mãe pediu para que o garoto anotasse todas as vezes que fosse mencionado o nome de Deus ou qualquer outro fato religioso durante as aulas. De posse desses registros que William fez, ela chamou jornais, canais de TV que se encarregaram de divulgar para toda a nação sua pauta contra as orações e a leitura da Bíblia nas escolas. Rapidamente ela recebeu apoio nacional de pessoas que escreviam de todo canto do país enviando cheques com quantias vultosas de dinheiro e até pessoas que transferiam a posse de bens para o nome dela. Dali em diante o processo tomou proporções que levou-a a Suprema Corte, e que culminou com a proibição das orações e da leitura da bíblia nas salas de aula. William – à época, adolescente – foi prejudicado igualmente com esta superexposição negativa, a ponto de ter que mudar de escola pelas constantes provocações que sofria. Por fim, acabou saindo de casa também. Entre altos e baixo pelo abuso de álcool e drogas, por um período chegou a dormir na rua. Após presenciar corrupção na empresa que trabalhava e ter um amigo morto num avião que caiu por conta de negligência explícita da empresa que trabalhava, isso começou a atiçar seu senso ético e despertar algo que ele não sabia explicar. Começou a comparar a empresa e as pessoas que trabalhavam com o comportamento de sua mãe. William acabou alcançado pela Verdade que liberta enquanto dirigia e começou a ponderar sobre sua vida: “Tem que existir Deus, porque certamente o diabo existe. Eu me encontrei com ele, conversei com ele e toquei-o. Ele é a personificação do mal. Eu tenho visto o diabo na vida de muitas pessoas que conheci”. Estabeleceu-se numa Igreja Batista após seu encontro com Cristo, através da Verdade que liberta, cessou o ódio e a sede de vingança que nutria pela sua mãe e brotou no lugar a vontade de amá-la. Agora ele a via como uma pecadora tal como ele mesmo. Crescia igualmente dentro dele a consciência do quanto custou muitas das coisas que aconteceram em sua vida para outras pessoas e para a nação. Ele mesmo narra em seu livro que o seu maior desejo era desculpar-se com Susan (sua primeira esposa) e Robin, filha desse relacionamento; desculpar-se com Valerie e Jade (segunda esposa e filha). Queria desculpar-se também com o país por roubar dele parte da riqueza que possuíam, por poderem participar das orações e leitura da Bíblia nas escolas. Atualmente ele trabalha em favor da defesa da liberdade religiosa dos cristãos, concentrando esforços junto aos países da extinta União Soviética, levando Bíblias para esses povos. Por irônico que pareça, ele tem permissão para falar do Evangelho de Jesus Cristo em escolas e espaços públicos da Russia e outros países vizinhos, algo que sua mãe por força da lei conseguiu barrar no seu próprio país. A fundação da organização Americanos Ateus Em 1963, após vencer a causa que culminou na proibição de orações e leitura da Bíblia nas escolas pelo país, Madalyn fundou a organização Americanos Ateus, a qual dominou até o fim de sua vida. Dada a sua tendência em flertar com o mal, a total ausência de parâmetros superiores de comportamento, Madalyn não sentia nenhum constrangimento em contratar para trabalhar no escritório da Americanos Ateus, criminosos contumazes recém-saídos da prisão. Num depoimento de William Murray, ele afirma que sua mãe apreciava particularmente contratar assassinos convictos que tinham cumprido pena, mas faziam questão de demonstrar nenhum arrependimento pelo crime que cometeram. Ela adorava saber que exercia poder sobre aquele tipo de homem. “Minha mãe era uma pessoa má… Não por ter conseguido abolir as orações e a leitura da Bíblia das escolas da América… Não… apenas era má. Roubou grande quantidade de dinheiro. Abusou da confiança das pessoas. Enganou as crianças a respeito do legado dos seu pais. Falsificou pagamento de impostos e chegou a roubar da sua própria organização. Todo dinheiro que minha mãe conseguiu à sua maneira, ficou ai. Não levou nada para o túmulo”, acusou William Murray. No escritório da Americanos Ateus trabalhavam também seu filho Jon Garth e a sua neta Robin, filha de William Murray. Madalyn proibia a aproximação de William com sua filha e com seu irmão devido a forte influência que exercia sobre eles. Ele afirma no seu livro que chegou a ficar mais de uma década sem ver sua filha, que se recusava a conversar com ele. Os três viviam às custas da enorme renda gerada a partir das doações feitas em prol da causa ateísta. Moravam juntos, trabalhavam juntos, faziam refeições juntos e tiravam férias juntos. William acusa sua filha e seu irmão de viverem como meros marionetes, em função da manutenção e do culto à personalidade da sua mãe. Na próxima parte será relatado como foi o final da família que lutou unida pela causa ateísta na América. Atualmente há um documentário disponível no ID (canal Discovery) sobre a saga da família Murray O’Hair e também um filme no Netflix (The Most Hated Woman in America), para quem estiver interessado em saber mais sobre esse marcante fato da história atacando os cristãos na América, no final do século passado.

O ESCÂNDALO DA CRUZ A BÍBLIA É O LIVRO MAIS LIDO DO MUNDO, E TALVEZ SEJA O MENOS COMPREENDIDO. LEMOS SOBRE DEUS, MAS... POR MAYCSON RODRIGUES

A Bíblia é o livro mais lido do mundo, e talvez seja o menos compreendido. Lemos sobre Deus, mas a sociedade atual, ou melhor, a cultura ocidental atual acredita que o Deus das Sagradas Letras é um ser passivo, fraco; um legítimo mendigo existencial. Pensam que sofre de carência e que não sabe lidar com o caos, a dor e as catástrofes na natureza. Há quem pense que Deus é até soberano, porém o é sem obter o controle absoluto sobre a história, os acontecimentos da vida, o tempo e o espaço. Esta cultura idealizou um deus humanizado demais, sensível demais e carente demais, o que se reflete na maneira de muitos viverem – como se o Eterno Criador fosse um amiguinho complacente com os seus ofensivos pecados. Este mundo crê num falso deus, que é complacente com o pecado e displicente em fazer justiça. Tal deus formatado pela mente do homem caído é tão esvaziado de poder e de glória que muitos cometem o gravíssimo equívoco de achar que é necessário que “as pessoas o convidem a entrar em seu coração”, e que ele “bate à porta dos coraçõezinhos sujos para entrar” ou que “é educado; logo, caso você não queira, tudo bem, porque ele pode ficar do lado de fora vendo você caminhando a passos largos para o inferno”. O que mais chama a atenção é que as pessoas defendem a ideia deste “deus reduzido” justamente por causa delas mesmas. Fazem isso porque não podem aceitar um Deus que não as aceite como são. Realize o Seu Sonho de Tocar Piano sem Sair de Casa. Comece Agora! Eu quero falar contigo sobre o Deus das Escrituras, e quero começar dizendo que o Grande Eu Sou não lhe deve absolutamente nada, quanto menos uma satisfação do porquê de seus atributos muitas vezes se revelarem tão ofensivos ao coração egocêntrico do ser humano. Há algo claro na Sua Palavra: Deus é bom, ao contrário de mim e de você. Afirmo sem titubear que Deus é sempre santo, todo santo – perfeitamente santo. Não há pecado em Deus, nem sombra do mal. Deus não criou o mal, pois nada que não seja o bem pode nele ser gerado, ou dele manifesto. Até mesmo os primeiros seres humanos, que dele vieram, foram feitos neste contexto de perfeita harmonia de pureza e santidade. Adão e Eva não possuíam pecado algum e desconheciam o mal quando desobedeceram a Deus. E o Deus das Escrituras, por ser tão perfeito, simplesmente odeia o mal, seja ele existente dentro ou fora do homem. Se o homem comete o mal, Deus odeia – o pecado e o homem que peca. Leia os Salmos e comprove por si mesmo. Se a ofensa a Ele está numa estrutura política, artística ou intelectual, se há prevaricação numa motivação ou se há algo existente na criação para intentar num roubo de sua glória (ídolos feitos por mãos humanas, por exemplo), são alvos da santa ira divina. Ele odeia, e não peca em ser e agir assim. “Porque tu não és um Deus que tenha prazer na iniquidade, nem contigo habitará o mal. Os loucos não pararão à tua vista; odeias a todos os que praticam a maldade. Destruirás aqueles que falam a mentira; o Senhor aborrecerá o homem sanguinário e fraudulento.” (Salmos 5.4-6) Afirmar que Deus odeia pecado e pecadores, nesta pós-modernidade, é arrumar sarna para se coçar. Mas aqui estou eu, sem condição alguma de negociar a verdade com esta geração, para mostrar ao leitor o que a Escritura de uma maneira clara e plena nos revela sobre o caráter de Deus. Porém, se o discurso terminar aqui, incorrerei no mesmo equívoco desta contemporaneidade (só que ao inverso), ao afirmar que Deus odeia o pecado e o pecador como se isso significasse que Ele esteja ávido por matar seres humanos e exterminar a espécie por completo, assim como Hitler tentou fazer com os judeus. DEUS ODEIA E AMA O PECADOR! REPITO: DEUS ODEIA E AMA O PECADOR! Percebem a diferença entre dizer que “Deus odeia o pecado e ama o pecador” e dizer que “Deus odeia o pecado, e também odeia e ama o pecador”? E a pergunta lógica surge: como Deus pode odiar e amar o pecador? Esta pergunta, a cruz de Jesus Cristo responde. Na cruz de Cristo, Deus mostrou o quanto odeia o pecador, pois ali derramou toda a sua santa ira, que obviamente não era contra Cristo e sim contra o pecado do homem. Ali, Deus puniu o nosso pecado. Ali, Deus mostrou o quanto nos odeia e pôde satisfazer completamente a sua justiça. Na cruz de Cristo, Deus tratou com o nosso pecado de forma justa. Sendo que algo misterioso, glorioso e assustador aconteceu naquele dia: Deus castigou OUTRO ao invés de NOS CASTIGAR. Isso comprova a grandiosidade do amor de Deus para conosco! Cristo assumiu a culpa pelos nossos pecados, a ainda lançou sobre nós a sua obediência! Deus em Cristo, no Calvário, manifestou a plenitude do seu amor por nós. Não peça para que Ele prove que te ama. Ele não vai te mandar um bilhete para você achá-lo numa cabana para se apresentar a você numa configuração que possa agradar a sua mente antropocêntrica e carnal que anseia por satisfação própria e reconhecimento de que o mundo gira à sua volta. Ele não vai manifestar outro tipo de amor por você que não este revelado na Escritura. A Escritura nos mostra que Deus Pai castigou o Deus Filho no lugar muitos pecadores, onde o principal e maior deles vos escreve. Deus te ama tanto, que deu o seu único Filho para que, pela fé no Filho, você recebesse a graça escandalosa que te perdoa, te acolhe, te dignifica, redime e te torna aceito por Ele para sempre – somente através do Amado Nazareno. Deus te ama tanto que morreu no seu lugar, na sua condição (pecado) e ainda lhe deu a condição que somente Ele possui (justiça). Aquele que é a JUSTIÇA se fez pecado para que o que era PECADO, fosse feito de novo… ou seja, fosse feito, NELE, JUSTIÇA. (2Coríntios 5.21) Ainda diz a Escritura: “Todavia, ao Senhor AGRADOU MOÊ-LO, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado, verá a sua posteridade, prolongará os seus dias; e O BOM PRAZER DO SENHOR PROSPERARÁ NA SUA MÃO. (Isaías 53.10) Consegue entender que foi a vontade soberana de Deus que cumpriu na história o que havia decretado em nosso favor antes da fundação do mundo? Ele, o Senhor, fez o seu único Filho enfermar. Jesus, portanto, é o “Isaque” de Deus – sendo que este “Isaque” não foi poupado no Calvário. Encerro dizendo que Deus odeia o pecado, odeia o pecador e o ama com o maior perfeito e mais profundo do universo. Ele não nos perdoou porque somos “legais”, simpáticos e bonitinhos. Ele nos perdoou porque Ele é verdadeiramente bom, e absurdamente nos ama. Jesus não é um “cara bacana que você escolhe ou não se quer andar com ele”. Jesus é O CAMINHO, A VERDADE E A VIDA. Se ele é o caminho, sem ele não há destino. Se ele é a verdade, sem ele tudo é confuso, medíocre e falso. Se ele é a vida, sem ele todos estão mortos em seus pecados. A cruz do Senhor revela o maior escândalo que este mundo conheceu: o supremo Juiz do Universo decidiu punir o pecado de criminosos nele mesmo, e advogar a sua causa diante dele, para assim os declarar, PARA SEMPRE, TOTALMENTE JUSTOS, SEM PECADO E ACEITOS NA SUA FAMÍLIA ETERNA.

NAAMÃ: E ELE DESCEU - MENSAGEM IMPACTANTE DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE PASTORES DO ESTADO DE SÃO PAULO – CPESP – PASTOR EDSON REBUSTINI

Naamã era comandante do exército da Síria. Um guerreiro forte, homem de confiança do Rei, um general cheio de medalhas, um herói de guerra, porém leproso. A lepra era uma sentença de morte. Uma doença terrível e incurável. Aquele homem tinha medo da morte, da doença, do abandono e da solidão. Ás vezes a vida nos traz coisas ruins. De repente, com uma notícia negativa nossa vida muda radicalmente. Tudo parecia perdido para Naamã, mas o conselho de uma menina cheia de Deus traz de volta a esperança para o coração do general. Ele deveria ir para Israel e ouvir o profeta de Deus. Deus faz as coisas diferentes de como pensávamos que Ele faria. Quando Naamã chegou na casa do profeta, ele não é recebido como havia imaginado. O preço para sua cura, não era o dinheiro. Era a humildade. Naamã devia mergulhar sete vezes no Jordão. O caminho para a vitória em nossa vida é a humildade. Às vezes achamos que Deus não sabe o que está fazendo, temos idéias melhores. Falamos sobre o que não sabemos. Mas os pensamentos de Deus estão acima dos nossos. O caminho da cura e da vitória é quando nos humilhamos diante de Deus. Naamã decidiu obedecer ao profeta. Uma tarefa difícil, mas sua obediência foi uma arma poderosa para mudar a sua história. Quando nos humilhamos e ouvimos a voz de Deus, algo maravilhoso acontece! Não importa o quanto um homem é importante nessa terra, ele jamais poderá barganhar com Deus. Quando dobramos os nossos joelhos, estamos mais fortes do que quando estamos em pé.

O INÍCIO DA MISSÃO AZUSA - A HISTÓRIA DO AVIVAMENTO AZUSA SEGUNDO FRANK BARTLEMAN

Quinta-feira, dia 19 de abril, enquanto estávamos sentados na reunião do meio-dia no auditório Peniel, Rua South Main, 227, de repente o chão começou a mexer-se. Uma sensação horrorosa tomou conta de todos. Ficamos sentados, muito espantados. Muitas pessoas começaram correr para o meio da rua, olhando ansiosamente para os edifícios com medo que caíssem. Foi uma hora muito séria. Eu fui para casa e depois de um período de oração, o Senhor me mostrou que deveria voltar para reunião que havia sido transferida da Rua Bonnie Brae para a Rua Azusa, 312. Haviam alugado uma velha casa de madeira que fora antes uma igreja metodista, no centro da cidade, e que durante muito tempo não fora usada para reuniões. Tornara- se um depósito de madeira velha e cimento, mas agora limparam a sujeira e o entulho o suficiente para colocar no meio umas tábuas, em cima de barris velhos. Desta forma, dava lugar para cerca de trinta pessoas, se é que me lembro corretamente. Sentavam-se formando um quadrado, olhando uns para os outros. Senti tremenda pressão interior para ir à reunião daquela noite. Era minha primeira visita a Missão Azusa. Mamãe Wheaton, que estava vivendo conosco naquela época, iria junto. Ela andava tão devagar que eu mal conseguia esperá-la. Chegamos lá finalmente e encontrei cerca de doze irmão, alguns brancos e alguns negros. O Irmão Seymour estava lá dirigindo. A "arca do Senhor" começou a se mover vagarosamente, mas com firmeza em Azusa. No princípio era carregada nos ombros de sacerdotes indicados por Ele mesmo. Não tínhamos nenhuma "carroça nova" naqueles dias para agradar as multidões mistas e carnais. Tínhamos de combater contra Satanás, mas a "arca" não era puxada por bois (bestas ignorantes). Os sacerdotes estavam "vivos para Deus", através de muita preparação e oração. O discernimento não era perfeito, e o inimigo tirou algum proveito disto, e trouxe algumas críticas ao trabalho, mas os irmãos logo aprenderam a "apartar o precioso do vil". Todas as forças do inferno estavam combinadas contra nós no princípio. Nem tudo era benção. Na realidade, a luta foi tremenda. Satanás procurava espíritos imperfeitos, como sempre, para destruir a obra, se possível. Mas o fogo não podia ser apagado. Irmãos fortes haviam se reunido com a ajuda do Senhor. Aos poucos levantou-se uma onda de vitória. Mas tudo isto veio de um pequeno começo, uma pequenina chama. Preguei uma mensagem na minha primeira reunião em Azusa. Dois irmãos falaram em línguas. Muitas benção parecia acompanhar estas manifestações. Em breve muitos já sabiam que o Senhor estava operando na Rua Azusa e pessoas de todas as classes começaram a vir às reuniões. Muitos estavam apenas curiosos e não acreditavam, mas outros tinham fome da presença de Deus. Os jornais começaram a ridicularizar e a debochar das reuniões, oferecendo-nos desta maneira muita publicidade gratuita. Isto trouxe as multidões. O diabo superou-se a si mesmo outra vez. Perseguições externas nunca fazem mal à obra. Tínhamos de nos preocupar mais com os espíritos malignos que trabalhavam dentro da obra. Até espíritas e hipnotizadores vieram investigar o que fazíamos e tentar nos influenciar. Apareceram então todos os descontentes religiosos e charlatães procurando um lugar para trabalhar. Estes é que nos causavam mais temor, porquanto constituem sempre perigo para todos os trabalhos que estão sendo iniciados, e não encontram guarida em outros lugares. Esta situação lançou tal medo sobre muitas pessoas que foi quase insuperável e impediu muito a ação do Espírito. Várias temiam buscar a Deus por pensar que o diabo poderia pegá-las. Descobrimos logo no início que quando tentávamos segurar a "arca" (I Crônicas 13:9), o Senhor parava de trabalhar. Não ousávamos chamar muita a atenção do povo para o que o maligno tentava realizar, pois medo seria o resultado. Só podíamos orar. Então Deus deu-nos a vitória. Havia a presença de Deus conosco através da oração; nós podíamos contar com ela. Os líderes tinham uma experiência bastante limitada, e a grande maravilha é que o trabalho tenha sobrevivido contra seus poderosos adversários. Mas era de Deus. E era este o segredo. Um certo escritor disse bem: "No dia de Pentecostes, o cristianismo enfrentou o mundo; era uma nova religião sem universidade, povo ou patrocinador. Tudo o que era antigo e venerável se levantou em oposição maciça contra ele, e ele não bajulou ou procurou conciliar-se com nenhum deles. Foi de encontro a todos os sistemas existentes e todos os maus costumes, queimando à medida que passava todas as inumeráveis formas de oposição. Isto realizou só com sua língua de fogo." Outro escritor disse: "A apostasia da igreja primitiva veio porque os cristãos queriam ver seu poder e governo se espalhar, mais do que a transformação e vida de cada um dos seus membros. No momento em que nos regozijamos com as multidões que se aderiram à nossa versão ou conceito da verdade, em lugar de buscar a transformação de vidas individuais de acordo com o plano divino, já estamos andando na estrada da apostasia que leva à Roma e às sua filhas."

2º AULA - AS IGREJA PRIMITIVA- ESTUDANDO O CRISTIANISMO DE FORMA EFICIENTE - CENTRO DE FORMAÇÃO APOSTÓLICA

O Centro de formação Apostólica foi idealizado pelo Pastor Sergio Lourenço do Ministério Em Defesa da Fé Apostólica, para ser um lugar formador de homens e mulheres que desejam conhecer mais sobre a vida cristã apostólica, nosso objetivo é gerar crescimento, desenvolvimento e fortalecimento do Corpo de Cristo, através da palavra de Deus e da implantação do Mover Apostólico. Salientamos que todos os nossos cursos são modulares e cada módulo pode ser cursado de maneira independente. 

 

LIÇÃO 5 PESSOAS, PARCEIROS E PAIS - ESTUDANDO O ANTIGO TESTAMENTO - CENTRO DE FORMAÇÃO APOSTÓLICA

Livro de Gênesis ensina que o homem foi criado à imagem e semelhança de Deus: espiritual, criativo, com capacidade para pensar, sentir e comunicar-se. Essa imagem foi manchada quando Adão e Eva pecaram. O resto das Escrituras lida com a forma de restaurar o relacionamento do homem pecador com um Deus Santo. Deus criou primeiro Adão e depois criou Eva, a mulher, para “completar” o homem. O casamento, homem e mulher unidos com exclusividade, é o plano perfeito de Deus. À medida que se aproximam mais de Deus, aproximam-se um do outro.

VIVA A SUA VIDA MINISTERIAL - PASTOR SERGIO LOURENÇO DO MINISTÉRIO EM DEFESA DA FÉ APOSTÓLICA E MEMBRO DO CONSELHO DE PASTORES DO ESTADO DE SÃO PAULO

A paz do Senhor a todos, hoje gostaria de ministrar ao coração de cada um de vocês uma palavra de animo, para sua vida ministerial. Quantos de vocês já foram questionados a respeito do seu ministério, quantos já foram criticados, rejeitados ate mesmo pelos próprios familiares por sua postura ministerial? Deus tocou ao meu coração para que eu ministrasse hoje para vocês uma palavra de animo ministerial e que lembrasse a cada um de você que é Deus que escolheu e consagrou a sua vida e te deu o seu ministério, vejamos o que diz a bíblia no livro de Jeremias capitulo 1 versículo 4 ao 5:

ORA VEIO A MIM A PALAVRA DO SENHOR, DIZENDO: ANTES QUE EU TE FORMASSE NO VENTRE TE CONHECI, E ANTES QUE SAÍSSES DA MADRE TE SANTIFIQUEI; ÀS NAÇÕES TE DEI POR PROFETA. TRADUÇÃO DE JOÃO FERREIRA DE ALMEIDA

Estão hoje fique você sabendo que o seu ministério é um projeto de Deus e somente satanás tem o interesse de parar este projeto, Deus confiou a você este ministério, pois como vimos no livro de Jeremias onde Deus me disse já o conhecia antes de você ser formado no ventre de sua mãe, antes do seu nascimento, Eu já havia separado e escolhido você para ser o meu profeta as nações.  Amados vocês são escolhidos de Deus e o seu ministério foi dado por Deus, então não questione, não fraqueje mais viva este lindo ministério que Deus confiou a vocês. Que Deus tenha misericórdia e te de entendimento amplo para viver esta bênção ministerial.



quarta-feira, 24 de maio de 2017

O FENÔMENO BOLSONARO - ROBERTO CABRINI ENTREVISTA JAIR BOLSONARO NO CONEXÃO REPÓRTER

A proposta do programa Conexão Repórter é a busca pela verdade através de grandes reportagens. Sua característica é a modernidade e o seu cenário é futurista. Vários temas são abordados com revelações inéditas, reportagens investigativas e coragem em se aprofundar nos assuntos. Roberto Cabrini, além de editor-chefe, também faz as grandes reportagens, tentando levar as informações exclusivas que ninguém conseguiu. A notícia, nos tempos de hoje, viaja por conexões cada vez mais velozes. Assim surgiu o nome do programa, além da palavra "repórter", que foi usada para destacar o formato e a disposição do apresentador. A equipe é formada basicamente por produtores-repórteres que participam ativamente do audacioso projeto, além da oportunidade de fazer parte de um programa tão arrojado. Neste último domingo, 21 de maio, foi ao ar no Conexão Repórter o documentário inédito "O fenômeno Bolsonaro". No conturbado cenário político brasileiro, surge um nome que muitos chamam de aventura irresponsável, outros de solução extrema. O programa mostrou as opiniões contundentes e o desejo de ser presidente da República de um homem polêmico, adorado e odiado. O telespectador conheceu os segredos do capitão Jair Bolsonaro, as conquistas e barreiras, os ataques e as defesas. Cabrini fez revelações sobre o homem e questionamentos sobre o político, propondo a ele as mais duras questões.


ATLETAS BRASILEIROS SÃO FORÇADOS A ESCONDER FÉ CRISTÃ EM CAMPEONATOS, NA RÚSSIA JOGADORES E LUTADORES TEMEM SER RECONHECIDOS EM CULTOS E TIDOS COMO POSSÍVEIS SUSPEITOS, DEVIDO AO PACOTE DE MEDIDAS CONTRA O TERRORISMO SANCIONADO PELO PRESIDENTE VLADIMIR PUTIN. FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE O GLOBO

Às vésperas da Copa das Confederações na Rússia, que terá início em 17 de junho, atletas brasileiros têm praticado o cristianismo de maneira quase clandestina. Jogadores de modalidades como futebol, futsal, snowboard e lutadores de jiu-jítsu temem ser reconhecidos em cultos e enquadrados como possíveis suspeitos devido ao pacote de medidas contra o terrorismo sancionado pelo presidente Vladimir Putin no ano passado. Embora o objetivo das medidas seja deter o avanço do extremismo e fortalecer a Igreja Ortodoxa, as restrições atingiram a Igreja Evangélica e religiões minoritárias. Na Bola de Neve Church da Rússia, por exemplo, a maioria dos frequentadores é formada por jogadores de futebol. Fundada no Brasil pelo pastor e surfista Rinaldo Seixas, a denominação é representada na Rússia pelo médico e pastor brasileiro Felipe Campos Sestaro. Os atletas estão espalhadas por sete células da igreja espalhadas por Moscou, São Petersburgo e Kursk, fato cada vez mais raro devido ao controle do estado russo sobre as reuniões religiosas. “Sou pastor e estou no olho do furacão. Vivo na sombra e, se eu for denunciado, vou preso. Vivo apreensivo, na marginalidade. Mesmo assim, sou cauteloso em julgar”, disse Sestaro ao jornal O Globo. Exposição limitada As manifestações públicas de fé são evitadas pelos atletas e praticantes do cristianismo em campo, quadras, tatames e nas ruas. Exposição religiosa nas redes sociais, ligações telefônicas e mensagens de texto também podem ser motivos de problemas, porque a lei determina que empresas de telecomunicações armazenem dados da população por até seis meses. O pastor conta que as autoridades foram chamadas para fiscalizar a igreja em um culto realizado em São Petersburgo, no dia 2 de julho, mas eles conseguiram escapar. “Não podemos atrair a atenção dos vizinhos, é arriscado”, disse Sestaro. “É real. Eu posso ser preso se eu for denunciado”. Sestaro tem reunido brasileiros, angolanos, moçambicanos, sul-americanos e russos na Bola de Neve. Os atletas costumavam expandir o Evangelho através de visitas a hospitais, aulas de esportes e evangelismo nas ruas. Hoje a realidade é outra. “Agora, evitamos o proselitismo em orfanatos, hospitais e na rua”, afirma o pastor. “Este país recebeu imigrantes das ex-repúblicas soviéticas, como Cazaquistão, Uzbequistão, Chechênia... de maioria muçulmana. Enquanto os russos têm um filho, estes imigrantes teriam quatro ou cinco. O governo tenta conter o avanço muçulmano. Quase todo ataque terrorista tem uma motivação islâmica. Daí nasceria o preconceito, primeiro contra os muçulmanos, depois, contra as demais religiões”, explicou Sestaro. A mesma análise é feita pelo professor e historiador da Universidade de Brasília (UnB), Argemiro Procópio, especialista em Rússia e terrorismo. “A questão tem trazido problemas, de racismo inclusive, porque o russo se sente agredido, invadido. Algumas minorias religiosas correm risco de virar bode expiatório. Os brasileiros terão dificuldade, porque, além de jogadores, viramos exportadores de pastores para o mundo”, disse ele.

MAIS DE 4 MIL CELEBRAM OS 500 ANOS DA REFORMA PROTESTANTE NA CIDADE NATAL DE LUTERO AS CELEBRAÇÕES PELOS 500 ANOS DA REFORMA - QUE VÃO ATÉ OUTUBRO - TIVERAM SUA ABERTURA COM UM CULTO EM PRAÇA PÚBLICA, CONTANDO COM A PARTICIPAÇÃO DE MAIS DE 4 MIL PESSOAS. FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN TODAY

As comemorações oficiais dos 500 anos da Reforma Protestante tiveram no início no último domingo, na antiga cidade natal de Martinho Lutero, Wittenberg, na Saxônia-Anhalt, Alemanha. Cerca de 4.000 pessoas participaram de um culto na praça da cidade, que apresenta estátuas de Lutero e seu companheiro reformador, Philipp Melanchthon, que também viveu e trabalhou na cidade. O culto incluiu uma participação do presidente da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, que disse que a Reforma influenciou toda a história, cultura e estilo de vida da Alemanha durante séculos e ainda o faz hoje. Ele disse que uma de suas lições é que os seres humanos poderiam "vencer a intolerância e a violência, que é cometida em nome da religião". O presidente da Igreja Luterana Evangélica na Alemanha (EKD), Heinrich Bedford-Strohm, disse que queria que as pessoas fossem inspiradas pela mensagem da Reforma e que era seu sonho e sua esperança de que os céticos encontrassem a fé depois da série de eventos, chamada "Verão da Reforma". Também foi lançada neste final de semana, na estação ferroviária da cidade, a exposição itinerante sobre a vida de Lutero, que vai começar uma turnê por toda a Europa - incluindo o Reino Unido - durante os próximos meses. Na ocasião, um culto de oração contou com a participação de cerca de 250 pessoas, sendo ministrado pela bispa Ilse Junkermann, na sua inauguração. Como a cidade é fortemente associada à história de Martinho Lutero, onde o reformador formulou sua teologia revolucionária da graça e pregou suas 95 teses na porta da Igreja do Castelo, Wittenberg está no coração das celebrações do aniversário da Reforma Portestante e está se preparando para uma incursão turística importante durante os próximos poucos meses (até outubro). A Igreja Luterana Evangélica da Alemanha preparou uma grande exposição em torno da pequena cidade com sete zonas com 80 expositores sobre temas como a Igreja, a sociedade e a política. O objetivo é mostrar como o legado de Lutero está impactando o mundo e a Igreja ainda hoje. As festividades também contarão com eventos neste próximo fim de semana como parte do 'Kirchentag', o evento bi-anual organizado pela EKD que atrai dezenas de milhares de participantes de todas as denominações e em todo o mundo. Este ano, Berlim vai sediar a maioria dos eventos, tendo Wittenberg como um local adicional. Assim como as duas grandes igrejas associadas a Lutero - a Igreja do Castelo e a Stadtkirche, onde ele pregou - a cidade também abriga a maior exposição permanente de Lutero, na antiga casa do reformador. A "Luther House" também apresenta uma nova exposição que reúne objetos e insights especialmente para o 500º aniversário da Reforma, "95 tesouros - 95 pessoas". As casas de Philipp Melanchthon e Lucas Cranach, o artista responsável pelas imagens icônicas de Lutero, também podem ser visitadas.

ESTADO ISLÂMICO ASSUME AUTORIA DE ATENTADO DURANTE SHOW EM MANCHESTER POLÍCIA CONTABILIZA 22 MORTOS, INCLUINDO PELO MENOS 10 CRIANÇAS POR JARBAS ARAGÃO

Quando um motorista atropelou e matou seis pessoas na ponte de Westminster, Londres, em março, a polícia inglesa evitou admitir que se tratava de um atentado terrorista até que as provas começaram a aparecer na internet. Pouco tempo depois, o Estado Islâmico assumiu a autoria. Na noite desta segunda-feira (22) mais de 20 mil jovens estavam na Manchester Arena, no Reino Unido, para assistir um show da cantora por Ariana Grande. No final do espetáculo, uma explosão perto da porta de saída ceifou a vida de pelo menos 22 pessoas e deixou outros 120 feridos, alguns em estado grave. As testemunhas dizem apenas ter ouvido “um enorme barulho” no fim do show, logo a pós a última canção, quando as luzes começavam a ser acesas. Vídeos e fotos nas redes sociais mostram pânico dentro e fora do local. Pelo estado em que ficaram os corpos das vítimas, era inegável que se tratava de um ataque suicida. A cantora não foi ferida. Ariana Grande tinha saía do palco quando a explosão foi ouvida. Policiais que foram para a Arena descreveram o ambiente como “cenário de guerra”. Desde o início as autoridade evitavam em admitir que se tratava de um novo atentado em solo inglês, mas os relatos de pedaços de metal atingindo e ferindo muitas pessoas levantava a suspeita de ser uma “bomba de pregos”. A jovem Abby Mullen, que estava no local, decidiu sair antes do final e relata: “Saí logo antes da última canção porque queria chegar em casa mais rápido e não precisar esperar muito tempo por um táxi”. Ela afirma que a bomba explodiu em frente a ela: “Havia pele e fezes por toda parte, incluindo no meu cabelo e minha bolsa”. O Daily Mail, um dos maiores jornais do Reino Unido foi o primeiro a afirma que se tratava de um homem-bomba, mas não divulgou nomes, uma vez que a polícia ainda investiga o caso. A maioria dos periódicos brasileiros falava apenas em uma ‘explosão’. As forças de segurança inglesas estão seguindo todos os protocolos pós atentados terroristas, adiantou no início da madrugada a televisão britânica Sky News. Uma postagem no perfil Polícia de Manchester no Twitter era o único pronunciamento oficial mencionando terrorismo até o final da noite. Na manhã de terça (23) a primeira-ministra Theresa May deu uma coletiva em Londres onde admitiu que o ataque fora realizado por um simpatizante do Estado Islâmico. Nos aplicativos de mensagens usados pelos jihadistas, os extremistas avisavam que um “soldado do califado” foi responsável pela bomba. Ele teria morrido na explosão, mas seu nome não foi divulgado. A polícia já prendeu um homem de 23 anos, suspeito de envolvimento. May afirmou que o atentado em Manchester se destaca por sua “covardia terrível e repugnante de deliberadamente ter como alvo crianças e jovens inocentes e indefesos”. Entre os mortos há pelo menos uma dezena de crianças. A lista oficial das vítimas ainda não foi divulgada. Este atentado foi o segundo maior na Inglaterra desde as explosões de julho de 2005, na capital inglesa, quando 56 pessoas morreram. Desde março o nível de segurança no Reino Unido está na categoria “severo”, o segundo maior na escala. A unidade de contraterrorismo divulgou recentemente que diariamente há pessoas sendo presas ou interrogadas em investigações para prevenir atentados.

CRISTÃOS SAUDITAS POSSUEM APENAS DUAS OPÇÕES A PRIMEIRA É ASSUMIR A VIDA CRISTÃ, CORRER RISCOS, REJEIÇÃO E ISOLAMENTO; A SEGUNDA É VIVER A FÉ EM SEGREDO, COMO SE NADA TIVESSE MUDADO

Há alguns dias, contamos o início da história de Noora*, uma cristã que se converteu depois de ter passado um tempo estudando nos Estados Unidos. Ela vive sua fé em segredo, com medo do marido ou de outros familiares descobrirem. Sem participar das reuniões muçulmanas, seus parentes começaram a perceber alguma diferença nela. Embora não pudesse dizer em alta voz, por dentro já admite não sentir a mesma emoção que antes durante as festas islâmicas. "Aproximei-me da luz e me tornei mais consciente da escuridão ao meu redor", observou. Sabendo das consequências de tomar certas decisões dentro de uma sociedade que não prioriza a opinião feminina, ela continua se comportando como muçulmana. Se for descoberta, terá que enfrentar sérias consequências, entre elas não se comunicar com estrangeiros, ser proibida de usar smartphone ou computador, viver em prisão domiciliar, mas o pior, segundo ela, seria perder o marido e os filhos. O "primeiro amor" começou a esfriar, sem poder ler a Bíblia ou participar de estudos, ela somente pode orar em silêncio. Há somente duas escolhas para os cristãos sauditas: a primeira é assumir a vida cristã, correr riscos, rejeição e isolamento; a segunda é viver a fé em segredo, como se nada tivesse mudado. Mas viver de acordo com a segunda opção, é ter que ir à mesquita e falar com Jesus por lá mesmo, para minimizar os riscos, uma vez que o evangelho pode transformar também outras vidas ao redor. Noora escolheu viver assim, e não pode falar da salvação nem mesmo para os próprios filhos. Essa decisão já fez muitas pessoas fugir do país. "O maior desafio nessa região não é evangelizar, mas discipular os novos convertidos e encaminhá-los para comunidades cristãs seguras, e isso só é possível através do poder da oração", disse um dos colaboradores. *Nome alterado por motivos de segurança.

QUESTÕES RELIGIOSAS E ÉTNICAS SÃO RESPONSÁVEIS PELA VIOLÊNCIA AUMENTO DA VIOLÊNCIA EM ALGUMAS REGIÕES DO PAÍS REPRESENTA UM GRANDE RISCO PARA A IGREJA NA REPÚBLICA CENTRO-AFRICANA

A situação da igreja na República Centro-Africana, 34º país na atual Lista Mundial da Perseguição, está cada vez mais complicada. O conflito religioso e étnico entre rebeldes muçulmanos do grupo Seleka e os integrantes do anti-Balaka (milícias cristãs formadas no RCA), já mataram milhares de vidas inocentes e causaram o deslocamento de milhares de cidadãos. De acordo com um relatório recente da Human Rights Watch (HRW – Observatório de Direitos Humanos), pelo menos 11 mil pessoas foram deslocadas nos últimos meses. O grupo Seleka dividiu-se em duas facções rivais principais e os civis foram alvejados em matanças visíveis da represália. A maior parte dos combates ocorreu na província de Ouaka, localizada na região central, entre o norte que é predominantemente muçulmano, e o sul, onde a maior parte dos moradores é de cristãos. "A menos que a força de paz da ONU, no país, opere decisivamente para colocar fim a estes confrontos, existe o risco de que eles se espalhem por todo o país, o que causaria mais instabilidade e renovaria os conflitos da guerra civil", disse um dos colaboradores da Portas Abertas. As pesquisas mostram que o aumento da violência nas regiões central e sudeste do país representa um enorme risco para os cristãos e também para os muçulmanos. "A guerra civil, que terminou com os precários acordos de paz de 2013 e 2014, apresentou que pelo menos alguns dos assassinatos de represálias que foram relatados foram por questões étnicas e religiosas", conclui o colaborador.

JOVEM CRISTÃO É PRESO E ACUSADO PELA POLÍCIA LOCAL KHANG* PARTICIPAVA DE UMA REUNIÃO CRISTÃ EM OUTRA ALDEIA, QUANDO FOI SURPREENDIDO POR POLICIAS E ACUSADO DE EVANGELIZAÇÃO

No início desta semana, recebemos a informação que um dos alunos da Escola Bíblica foi preso por participar de um culto de adoração no Laos. Khang é de etnia Hmong (grupo asiático conhecido como "povo da montanha"). No dia 21, ele foi para outra aldeia, a fim de participar de uma reunião e a polícia local o acusou, dizendo que o jovem estava ali evangelizando. Não há mais detalhes sobre o ocorrido. O Laos está na 24ª posição da atual Lista Mundial da Perseguição, onde os cidadãos carecem de liberdade de opinião e de imprensa. Qualquer grupo organizado que não esteja alinhado à ideologia do governo é visto como uma ameaça à preservação do comunismo no país. Os cristãos que vivem em áreas urbanas possuem mais liberdade de culto do que os que vivem em áreas rurais, onde muitos são assediados e até presos. Mas, no geral, todos os cristãos laosianos enfrentam algum tipo de perseguição por causa da fé em Cristo, incluindo estrangeiros e imigrantes. A violência contra a igreja no país é alta. Pedidos de oração Ore por Khang que está preso. Que Deus o fortaleça e que em breve ele possa estar livre novamente. Interceda pela igreja no país e por todos os cristãos perseguidos. Peça a Deus que os perseguidores tenham a oportunidade de ouvir falar sobre o amor de Jesus. *Nome alterado por motivos de segurança.

CONTINUE EM ORAÇÃO POR IKLAS KABDUAKASOV O CRISTÃO FOI PRESO APÓS SER ACUSADO DE PRATICAR UMA RELIGIÃO EXTREMISTA E SUA LIBERDADE ESTÁ PREVISTA PARA O FINAL DESTE ANO

Desde 2014, Yklas Kabduakasov está cumprindo uma pena de 2 anos por supostamente "incitar o ódio" e "praticar uma religião extremista". Os "crimes" citados são puníveis com prisão, para aqueles que seguem o cristianismo. É dessa forma que o governo enxerga os cristãos no país. O Cazaquistão ocupa, atualmente, o 43º lugar na Lista Mundial da Perseguição, onde a igreja enfrenta um governo repressivo e que é fruto de um passado comunista. Iklas é casado, tem 8 filhos e sua família ficou sem como se sustentar, passando a depender da ajuda de outros cristãos. Ele trabalhava como segurança em uma empresa de construção e era conhecido como um homem piedoso e honesto. Seu único crime foi distribuir materiais evangelísticos, o que não é permitido de acordo com as leis do país. Para o governo, membros de igrejas cristãs são considerados "seguidores de uma seita que quer espionar e destruir o sistema político atual". Assim como Iklas, milhares de outros cristãos vivem sob constante ameaça, vinda tanto das autoridades quanto da própria comunidade que é composta majoritariamente por muçulmanos. A conclusão da pena dele está prevista para o final deste ano, enquanto isso, a Portas Abertas o visita e várias organizações e igrejas no país estendem a mão para sua família. Pedidos de oração Ore por Iklas, pela sua saúde, bem-estar e que permaneça firme na fé. Interceda pela esposa e filhos que dependem de ajuda para sobreviver. Ore pela igreja no Cazaquistão e pelos cristãos perseguidos que enfrentam hostilidade.

ISLÂMICOS COMETEM GENOCÍDIO CONTRA MULHERES; MÍDIA IGNORA PORTAS ABERTAS DENUNCIAM QUE CRISTÃS SOFREM UMA “DUPLA PERSEGUIÇÃO” POR JARBAS ARAGÃO

Geralmente quando a mídia usa o termo “guerra contra as mulheres” geralmente é para falar sobre a legalização do aborto ou outros temas pautados por movimentos feministas. Contudo, a maior parte dos meios de comunicação se abstêm de cobrir a verdadeira guerra contra mulheres – as que são escravizadas e torturadas por sua fé por radicais islâmicos. A diretora de Ações Institucionais da Missão Portas Abertas EUA, Kristin Wright, falou com o Centro de Pesquisa de Mídia sobre a perseguição aos cristãos em todo o mundo e como se evita usar o termo genocídio, embora seja exatamente o que está acontecendo. De acordo com um documento das Nações Unidas de 1948, genocídio significa “qualquer um dos seguintes atos cometidos com a intenção de exterminar, no todo ou em parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso”, o que inclui matar e causar sérios danos físicos ou mentais, além do sequestro de crianças”. Isso é considerado pela Organização um “crime contra a humanidade”.Apesar de se enquadrar nessa descrição, o relatório da Comissão Internacional Independente de Inquérito das Nações Unidas sobre a Síria, presidida pelo brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro negou-se a admitir que os cristãos estão sendo vítimas de genocídio, optando por citar apenas outras “minorias”. Kritin enfatizou que as mulheres enfrentam uma “dupla perseguição” em muitos países. Para ela, a imprensa deveria fazer mais. “Definitivamente não estão cobrindo o suficiente”, desabafou, pontuando que o assunto é ignorado ou minimizado na maioria dos veículos da grande mídia. “Nós definitivamente deveríamos estar vendo e ouvindo mais sobre a situação dos cristãos que enfrentam perseguição, bem com membros de outros grupos de fé.” Como exemplo, ela cita o sequestro das 276 meninas de Chibok, Nigéria, sequestradas pelos extremistas do Boko Haram em 2014. “Esta história ganhou as manchetes logo que aconteceu. Mas o que ouvimos sobre isso nos últimos três anos? Quase nada. “Mesmo quando eles mostram algumas delas sendo libertadas, como ocorreu com 82 na semana passada, a motivação religiosa para o crime é sempre omitida dos relatos jornalísticos. “Definitivamente há uma guerra contra as mulheres. Não há dúvida sobre isso”, acrescentou a diretora. “Se você olhar para todas as maneiras como as mulheres sofrem… são histórias dolorosas, absolutamente devastadoras, e sinto que elas não estão sendo contadas tão frequentemente quanto deveriam”, lamentou Como advogada de direitos humanos, Wright já se encontrou com vítimas do Estado Islâmico, tanto cristãs quanto yazidis que foram estupradas, sequestradas e viram membros de suas famílias serem mortos diante de seus próprios olhos. A Portas Abertas, a ONG cristã em que ela trabalha, mantém vários trabalhos com refugiados e dedica uma atenção especial às mulheres. Em um desses locais, no Iraque, ela ouviu vários testemunhos chocante de cristãs. Essas histórias “precisam ser divulgadas”, disse Wright, lembrando que na maioria das nações islâmicas as mulheres cristãs sofrem duplamente, tanto pela sua fé quanto pelo seu gênero. “São vistos como a parte inferior da sociedade, tratadas como alguém que pode ser estuprada, forçadas a casar ​​ou a se converter, e não há qualquer punição aos perpetrador”. Expectativa de mudança Apesar de o governo Barack Obama ter dado um péssimo exemplo, tentando de todas as formas desvincular a morte premeditada de cristãos pelos muçulmanos de motivações religiosas – no que continua sendo seguido pelos governos europeus – o quaro começou a mudar este ano, com o início da administração Donald Trump. Logo após sua vitória nas eleições, ele afirmou que iria proteger os cristãos perseguidos. No último dia 10, o vice Mike Pence reafirmou essa disposição. “Saibam, com segurança, que o presidente Trump reconhece esses crimes como atos vis de perseguição, impulsionados pelo ódio, ódio ao evangelho de Cristo. O presidente sabe quem são as pessoas que cometeram esses crimes. Eles são a encarnação do mal em nossos dias. E ele os chama pelo nome: terroristas islâmicos radicais”, denunciou. Segundo o Centro de Pesquisa de Mídia, nos últimos dois anos e meio, os telejornais mais vistos do mundo relataram apenas 60 vezes a perseguição aos cristãos no Oriente Médio, na África e no Sul da Ásia. Desses 60 relatos, apenas seis usaram a palavra “genocídio”. No mês passado, um estudo do Centro de Estudos sobre Religiões mostrou que os cristãos são o grupo mais perseguido do mundo” com “até 600 milhões” sendo “impedidos de praticar sua fé de alguma maneira” em 2016.